Mercado abrirá em 2 h 41 min
  • BOVESPA

    112.273,01
    -43,15 (-0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.521,43
    -253,48 (-0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,80
    -1,10 (-1,41%)
     
  • OURO

    1.921,80
    -17,40 (-0,90%)
     
  • BTC-USD

    22.942,07
    -392,34 (-1,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    520,35
    -17,52 (-3,26%)
     
  • S&P500

    4.017,77
    -52,79 (-1,30%)
     
  • DOW JONES

    33.717,09
    -260,99 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.738,99
    -45,88 (-0,59%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.924,00
    -44,00 (-0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5292
    -0,0178 (-0,32%)
     

O que acontece com quem expõe mensagens pessoais do WhatsApp do colaborador?

Em 2018, uma das nossas pautas aqui na coluna foi o monitoramento do WhatsApp pelo empregador e suas consequências. Fizemos ressalvas a respeito do poder da empresa e da importância do adequado comportamento do funcionário.

O pano de fundo para a legalidade do controle das mensagens pela empresa é o poder diretivo que ela detém, além de que os aparelhos e computadores são de sua propriedade, sem deixarmos de lado o fato de que é ela quem remunera o tempo no qual o colaborador está em horário de trabalho, fazendo uso dos equipamentos da sua empregadora e, em tese, integralmente à disposição para atender suas demandas.

Com o avanço da tecnologia, dia após dia podem surgir situações que acabam por exigir o constante amadurecimento de conceitos e valores aplicáveis para a solução de conflitos e até mesmo para a compensação de danos.

Caso real de situação vexatória na empresa

O artigo desse mês aborda caso real ocorrido em Minas Gerais e que chegou ao Judiciário após o chefe expor mensagens de uma ex-integrante da sua equipe de trabalho em plena reunião da empresa.

Pelo que foi noticiado, a mulher havia pedido demissão e esqueceu o seu WhatsApp logado no computador da empresa. O chefe teve acesso às trocas de mensagens da ex-funcionária com uma colega de trabalho nas quais falavam de um possível caso extraconjugal dele (o chefe!) com uma funcionária.

(Imagem: micens/Envato)
(Imagem: micens/Envato)

De quem foi o vacilo? Do chefe ou da ex-colaboradora? Brincadeira à parte, ainda segundo o que consta no noticiário, a reação do chefe foi a de convocar uma reunião com os funcionários para esclarecer os fatos, tendo exposto a troca de mensagens da ex-colega de trabalho e a chamado de “falsa” e “incompetente”.

Fato é que a situação envolveu dois comportamentos reprováveis. De um lado a ex-funcionária que propagou fofocas envolvendo o seu ambiente de trabalho, e de outro uma reação explosiva do superior que acabou expondo a intimidade da mulher, como também ferindo sua honra.

Como a Justiça decidiu?

Colocando na balança as duas posturas, na visão da Justiça do Trabalho mineira pesou mais o ato do chefe que acabou por ultrapassar o limite do razoável e, sem respeito, no afã, inclusive, de dar o exemplo para os demais funcionários, perdeu a razão. A ex-funcionária pediu indenização por danos morais e teve êxito em primeira e segunda instâncias, que condenaram a empresa a lhe pagar R$ 6.000,00.

Ao examinar o caso, o desembargador relator do recurso reforçou o entendimento adotado na sentença que apontou a invasão da intimidade e privacidade da trabalhadora: “Ainda que fossem reprováveis as fofocas propagadas, as conversas particulares jamais poderiam ter sido divulgadas a terceiros, sobretudo da forma grosseira e explosiva como ocorreu. Toda a situação poderia ter sido conduzida de modo mais discreto e respeitoso”.

Como não cabe mais recurso ao Tribunal Superior do Trabalho (TST), o caso foi dado por encerrado.

Conclusão

No artigo de 2018 deixamos claro que o empregador que acessa os e-mails profissionais dos seus empregados, gerados em equipamento e ambiente virtual disponibilizados pela empresa para o desempenho das atividades de trabalho não comete invasão de privacidade. Tendo, ainda, trazido uma agravante que pode rondar essa situação, a da demissão por justa causa que pode se basear no uso indevido e/ou comentários impróprios a respeito da empresa, do chefe ou de colegas de trabalho.

Agora em 2022, reafirmamos nossa opinião, com a ressalva de que a velha máxima de que os excessos sempre serão punidos se mostra mais atual do que nunca. Na situação trazida, comentários impróprios foram feitos pela ex-funcionária, configurando até mesmo mau comportamento no ambiente de trabalho. Porém, a reação do chefe, possivelmente baseada na raiva, vingança e punição, ultrapassou o razoável e ridicularizou a mulher, no entendimento do Poder Judiciário.

E você ? Concorda com a solução dada pela Justiça?

*Artigo escrito em coautoria com Roberta Paiva

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: