Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -2,80 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.516,22
    +500,66 (+2,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

O que é um sedentário?

Apesar de ser um termo amplamente conhecido, o sedentarismo — ou, como alguns especialistas indicam chamar, “comportamento sedentário” — figura no imaginário popular como o definidor de uma pessoa obesa ou pouco saudável, o que não é necessariamente verdade. Afinal, o que é sedentarismo na definição atual?

Segundo o Colégio Americano de Medicina do Esporte (ACSM), uma pessoa sedentária é aquela que pratica atividades físicas leves por menos de 150 minutos por semana, mínimo recomendado para a população entre 18 e 60 anos. Mais detalhadamente, há uma questão energética corporal em jogo.

Gastar poucas calorias durante o dia, sem praticar exercícios físicos, pode levar ao sedentarismo (Imagem: klavdiyav/Envato)
Gastar poucas calorias durante o dia, sem praticar exercícios físicos, pode levar ao sedentarismo (Imagem: klavdiyav/Envato)

Precisamos entender o MET — o equivalente metabólico, que define o consumo de oxigênio por minuto gerado pelas nossas atividades diárias. Coisas como dormir e ficar sentado ou deitado gastam de 1,0 a 1,5 METs. Essas atividades representam um gasto calórico reduzido, feito por praticamente todos os seres humanos.

A atividade física leve, que, sozinha, ainda é considerada comportamento sedentário, inclui andar devagar, lavar louças, cozinhar, sentar, escrever, enfim, atividades diárias comuns, que gastam de 1,6 a 2,9 METs. Aí entram os exercícios físicos.

Atividade física x Exercício físico

Respondendo à pergunta que você deve estar se fazendo agora, sim: há uma diferença entre atividade física e exercício físico! O primeiro termo diz respeito a qualquer atividade corporal intencional (descartando batimentos cardíacos e respiração), desde levantar da cama a ir ao trabalho, dançar, varrer a casa, tomar banho, etc.

Já o exercício físico é uma atividade mais planejada, estruturada e com o objetivo de aprimorar a estrutura muscular, flexibilidade ou equilíbrio do corpo — idealmente, com auxílio de um profissional em educação física. Todo exercício físico é uma atividade física, mas nem toda atividade é um exercício, em suma.

Afazeres diários são atividades físicas, mas só caminhadas rápidas, corridas, academia e esportes constituem exercícios físicos (Imagem: Jacoblundo/Envato)
Afazeres diários são atividades físicas, mas só caminhadas rápidas, corridas, academia e esportes constituem exercícios físicos (Imagem: Jacoblundo/Envato)

Qual o mínimo de atividade devo praticar para não ser sedentário?

Considera-se que uma atividade física seja moderada quando gasta de 3 a 6 METs por minuto, e atividades intensas, mais do que 6 METs/min. Para sair do sedentarismo, uma pessoa precisa realizar atividades no mínimo moderadas 5 vezes por semana, por 30 minutos, ou atividades intensas 3 vezes por semana, por 20 minutos, no mínimo.

Uma caminhada, por exemplo, caso realizada a 6,4 km/h, equivale a 4 METs/min, e correr a 8,0 km/h gasta cerca de 8,0 METs/min. Segundo especialistas, para se manter saudável, é preciso gastar de 450 a 750 METs por semana, somando os exercícios físicos mais pesados com as atividades realizadas no dia-a-dia.

A atividade física é importante para evitar uma vida sedentária porque ela pode acarretar diversos problemas de saúde. O controle de peso e de doenças cardiovasculares, só para começar, já podem ser muito beneficiados pela prática de exercícios físicos.

Exercícios físicos também podem ajudar na saúde mental, aliviando os sintomas de condições como a depressão (Imagem: Anh Nguyen/Unsplash)
Exercícios físicos também podem ajudar na saúde mental, aliviando os sintomas de condições como a depressão (Imagem: Anh Nguyen/Unsplash)

A saúde mental e bem-estar também estão no rol de benefícios do exercício físico. Após praticar atividades, liberamos endorfina, que gera uma sensação de bem-estar (não à toa, a substância é conhecida como “hormônio do prazer”). Podemos melhorar o humor com a prática, que, segundo alguns estudos, pode ainda ajudar no alívio de sintomas de depressão.

Além disso, praticar exercícios é fundamental para prevenir a hipertensão, uma das possíveis consequências do sedentarismo, ocorrendo quando a pressão arterial é muito elevada. Deficiência em nutrientes e estresse também influenciam sua ocorrência.

Em suma, é importante manter um estilo de vida ativo, evitando o comportamento sedentário para o bem físico e mental do corpo — todo mundo já está cansado de saber, mas praticar exercícios é qualidade de vida: idealmente, com auxílio de profissionais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: