Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,27
    -0,03 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.745,50
    -4,30 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    44.883,11
    +1.305,09 (+2,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.119,18
    +10,26 (+0,92%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.306,75
    +3,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2262
    +0,0012 (+0,02%)
     

O que é um anime isekai?

·5 minuto de leitura

Se você já se aventurou a assistir a algum anime, já deve ter se deparado com alguns dos diversos subgêneros existentes entre as animações japonesas. E um dos mais populares é o chamado isekai, que rende uma série de produções a cada nova temporada e coleciona alguns clássicos com milhões de fãs. Mas, afinal, o que é um anime isekai?

Por mais que você não saiba o que é um anime isekai, certamente já deve ter se deparado com um em algum momento — inclusive fora dos animes. Em linhas gerais, trata-se daquelas histórias em que o personagem é levado para outro mundo. Lembra do clássico Caverna do Dragão ou mesmo de Alice no País das Maravilhas? Pois é dessa estrutura que estamos falando.

Digimon é um dos primeiros <em>isekais</em> com que muita gente teve contato no Brasil (Imagem: Divulgação/Toei Animation)
Digimon é um dos primeiros isekais com que muita gente teve contato no Brasil (Imagem: Divulgação/Toei Animation)

O termo isekai significa literalmente “mundo diferente” em japonês, o que torna tudo bastante autoexplicativo. Na grande maioria dos casos, o protagonista é uma pessoa comum que vive em nosso mundo e, de alguma forma, é levado para um mundo fantástico onde precisa sobreviver em meio a monstros e magias ou então é transformado em algo bem diferente de sua forma original, como um slime ou uma aranha.

E é a partir dessa mudança de mundo que a aventura tem início. Em alguns casos, toda a trama gira em torno da busca do herói em uma forma de voltar para casa. Lembra do primeiro desenho de Digimon, em que um grupo de crianças era levado para um mundo digital e precisava encontrar um modo de sair de lá? Pois essa é uma estrutura bem comum dentro de isekais.

Só que há diversas variações que sempre aparecem para tentar dar uma nova cara ao estilo. Uma delas é tratar esse novo mundo como uma reencarnação. Assim, o protagonista morre em seu mundo de origem e renasce sob essa nova forma em uma realidade totalmente diferente da sua. Outra abordagem bastante comum é da pessoa que é levada para dentro do videogame, precisando usar sua experiência enquanto jogador para sobreviver.

So I'm a Spider, So What? traz a estranha premissa de uma menina que reencarna no corpo de uma aranha em um mundo de RPG (Imagem: Reprodução/Crunchyroll)
So I'm a Spider, So What? traz a estranha premissa de uma menina que reencarna no corpo de uma aranha em um mundo de RPG (Imagem: Reprodução/Crunchyroll)

Independentemente do formato, o que importa em um isekai é a mensagem transmitida. Em praticamente todos os animes do gênero, as histórias vão tratar sobre transformação e amadurecimento. Na grande maioria dos casos, o protagonista é alguém que possui algum tipo de problema pessoal. Às vezes, é alguém briguento na escola, um estudante com dificuldades de socialização ou mesmo aquela pessoa que não sabe que rumo dar à sua vida — e é a ida para esse mundo diferente que vai fazê-la encontrar a força que desconhecia ter.

O que o anime isekai faz é mostrar como basta uma mudança de ares e de perspectiva para que você consiga evoluir e desenvolver algo que estava dormente. É uma bela metáfora sobre crescimento pessoal.

A estrutura de um isekai

Como toda história pertencente a um gênero específico, um isekai possui uma estrutura bem definida que se repete em vários animes. Por isso, muita gente torce o nariz para o estilo por considerá-lo clichê, mas a verdade é que outros tipos de animação seguem fórmulas próprias que também se repetem, como os shounen e os shoujos.

O curioso é reparar que, no caso do isekai, esse modelo é bem semelhante à Jornada do Herói que a gente está tão acostumado a ver em filmes e até mesmo em jogos. Basicamente, temos um protagonista vivendo sua vidinha qualquer — quase sempre problemática ou desinteressante, como dissemos antes — até que algo o leva para esse outro mundo. É o velho chamado para a aventura, que pode ser um acidente que abre um portal para outra dimensão, um evento mágico que o coloca dentro do jogo ou mesmo a boa e velha morte o levando para um além fantástico cheio de monstros e magia.

Como o próprio nome já diz, That Time I Got Reincarnated as a Slime é um isekai em que o protagonista vira um slime (Imagem: Reprodução/Crunchyroll)
Como o próprio nome já diz, That Time I Got Reincarnated as a Slime é um isekai em que o protagonista vira um slime (Imagem: Reprodução/Crunchyroll)

Seja lá qual for a razão, a maior parte dos isekai vai colocar esse herói perdido e se negando a aceitar que ele foi levado para outro mundo. E é nesse momento que um outro personagem — geralmente uma menina — aparece para ajudá-lo, servindo de guia tanto para o protagonista quanto para o próprio espectador. É essa personagem que vai descrever as particularidades daquele universo e mostrar como as coisas funcionam. E é justamente a relação criada nessa aventura que vai fazer com que a despedida lá na frente seja tão difícil.

Essa estrutura soou familiar? É porque você certamente já viu pelo menos uma boa dúzia de animes que seguem essa mesma cartilha. Um dos mais clássicos por aqui é Inu-Yasha, que conta a história da jovem Kagome, que é levada para o Japão Feudal após cair em um poço no quintal da sua casa. Nesse novo mundo, ela conhece o personagem-título e descobre a existência de youkais — os demônios da cultura nipônica — e precisa encontrar uma forma de voltar para casa ao mesmo tempo em que se afeiçoa aos seus novos amigos.

Em Monster Rancher, a história não é muito diferente. No caso, um menino de 11 anos que é apaixonado por videogames acaba sendo transportado para dentro de um jogo e precisa usar seus conhecimentos sobre os monstrinhos daquele mundo para conseguir vencer o grande vilão e voltar para a sua realidade.

E, assim como esses dois exemplos, animes como Sword Art Online, Re:ZERO -Starting Life in Another World-, .hack//Sign e tantos outros repetem a fórmula com uma ou outra variação, mas seguindo a mesma lógica de sobrevivência em um universo diferente para narrar histórias de amadurecimento — algo que é comum a todos nós. Não por acaso, os isekais seguem sendo grandes sucessos mundo afora.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos