Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.008,98
    +68,01 (+0,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

O que é o Twitter Blue?

O Twitter Blue é um serviço de assinatura premium que oferece vantagens para o usuário disposto a pagar uma quantia de US$ 8,00 (R$ 40,00 em conversão direta) por mês. O assinante tem o perfil marcado com o selo azul de verificação, acesso antecipado a recursos ainda em testes e ferramentas extras, como um botão para desfazer tuítes, um sistema de leitura de notícias sem anúncios e personalizações.

Uma das primeiras medidas tomadas por Elon Musk após completar a aquisição da plataforma foi expandir o uso do selo autenticador para assinantes do Blue. Até então, era necessário se enquadrar nos critérios definidos pela plataforma para ser verificado.

Vale lembrar que esta marcação é diferente do selo "Oficial" para contas manualmente verificadas, que ainda continuará sendo usado para distinguir perfis autênticos de companhias, parceiros comerciais, veículos de notícias, publicadoras e figuras públicas dos demais usuários. Esta é a maneira que os executivos encontraram para dar aos usuários o que eles queriam (o selo azul) sem abrir mão da segurança.

Além disso, a assinatura funciona como uma espécie de recompensa para quem utiliza a rede social com frequência. Outra ideia inicial era trazer de volta aquelas pessoas que abandonaram o Twitter nos últimos anos. Atualmente, estima-se que apenas 25% da base cadastrada no Twitter seja responsável por 97% dos tuítes, dado que revela como a quantidade de usuários ativos está em baixa.

Quando o Twitter Blue foi lançado?

O Twitter Blue foi lançado em julho de 2021 e inicialmente chegou com apenas três recursos. Após uma chuva de críticas pela falta de atrativos, a rede social decidiu se mexer para trazer coisas mais interessantes: uma das novidades mais celebradas é o Labs, que leva experimentos e recursos em primeira mão para os cadastrados no serviço.

Por enquanto, o serviço é exclusivo de Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia, e ainda não há previsão de chegada ao Brasil. O Blue pode ser comprado no aplicativo do Twitter no iPhone ou celulares Android, além do site para web por meio do sistema de pagamentos da Stripe.

Em novembro de 2022, após a aquisição de Elon Musk, a plataforma lançou uma atualização dos benefícios Blue. Esta versão mantém todas as características do serviço original, mas incorporou outras novidades, buscando justificar o aumento de preço — de US$ 3,00 para US$ 8,00.

Como se inscrever no Twitter Blue?

A inscrição no serviço Twitter Blue deve ser realizada no menu Perfil, pelo aplicativo ou site para navegador:

  1. Procure pelo menu do seu Perfil;

  2. Selecione a opção Twitter Blue;

  3. O botão de assinatura exibirá o preço por mês.

O valor muda conforme o local e ainda não está liberado em reais, portanto é impossível assinar por aqui ou saber ao certo quanto custará — rumores apontam para R$ 15,90, mas vale lembrar que o valor inicial nos EUA (US$ 5) não vigora mais. Nenhuma assinatura do Twitter Blue oferece reembolso, mesmo que a conta tenha sido suspensa, banida ou roubada por terceiros.

Quais os benefícios do Twitter Blue?

"Desfazer" tweets

Se você pressionar o botão Undo, sua publicação será desfeita antes de ser publicada (Imagem: Reprodução/Twitter Blue)
Se você pressionar o botão Undo, sua publicação será desfeita antes de ser publicada (Imagem: Reprodução/Twitter Blue)

O botão “desfazer” tuítes é provavelmente o recurso mais útil da rede social, pois permite interromper uma publicação errada ou incompleta. Caso cometa algum deslize no português ou esqueça de anexar mídia, por exemplo, é possível se arrepender instantaneamente antes das pessoas visualizarem.

A vantagem do botão é evitar o desgaste de apagar a publicação e precisar recriá-la do zero novamente — além da exposição do erro perante o público. Ele funciona de modo parecido com o "desfazer envio" do Gmail, portanto precisa ser pressionado em poucos segundos a publicação para evitar a liberação do tuíte.

Quando for desfeito, o usuário será guiado de volta para a tela de edição, onde poderá compor novamente a mensagem de onde parou. Atualmente, a rede social permite definir quanto é o tempo para desfazer o post: entre 5 e 60 segundos. Se você costuma tuitar muito rapidamente ou com menos atenção, talvez um minuto seja o suficiente para verificar algum erro e cancelar enquanto é tempo.

É importante não confundir isto com o recurso de editar tuítes, implementado pela rede social para todos em outubro de 2022. O ajuste após o post ter ido ao ar é algo complexo, porque permitire alterar o conteúdo de uma publicação que pessoas curtiram ou retuitaram no passado. É por isso que a rede social mantém um histórico de publicações editadas, além de ter um prazo máximo de tempo de edição, para evitar manipulações ou atividades maliciosas.

Artigos sem Anúncios

Após a compra do Revue, a rede decidiu incentivar a leitura na própria plataforma, sem distrações e propagandas como nos sites de notícias tradicionais. O recurso funciona no iOS, Android ou na versão web e exige login na plataforma para funcionar. A tela branca e limpa permite melhor concentração do leitor do que o layout poluído. É uma ferramenta do Blue indicada para quem gosta de se informar ao longo do dia com sites noticiosos e blogs.

Além de ter a leitura facilitada, a ferramenta ainda paga para os sites que disponibilizam seus conteúdos, portanto é uma forma de ajudar indiretamente os jornalistas ou criadores de conteúdo. Não está incluso acesso a conteúdos que precisem de assinatura — neste caso, é preciso pagar para o veículo de comunicação para remover o paywall.

Pastas de itens salvos

Salvar páginas e posts interessantes do Twitter sempre exigiu um certo malabarismo do usuário. A maioria usa o recurso de favoritos do navegador, enquanto outros envia por WhatsApp ou outra rede social.

No caso do passarinho, além de pouco prático, isso pode não funcionar para determinados tipos de conteúdo. Foi pensando nisso que o Twitter inventou a pasta de itens salvos como um plus para os assinantes do Blue.

É possível agrupar tudo de maneira organizada para facilitar a busca por seus tuítes favoritos, sem limitação de quantidade e com tudo de modo privado. Este recurso é diferente das listas, por exemplo, que ficam exibidas publicamente e servem para elencar perfis.

O usuário pode criar categorias temáticas para separar seus posts favoritos conforme a necessidade. Dá para reservar um espacinho para notícias, uma área para memes, outro para mensagens motivacionais, mais um para assuntos de trabalho, e assim por diante.

Navegação e ícones personalizados

Cada assinante do Blue tem diversas opções de personalização para deixar o aplicativo com o seu estilo. A pessoa pode alterar a aparência do ícone do aplicativo do Twitter no seu telefone, seja ele Android ou iPhone. São várias imagens coloridas e algumas sazonais, como os especiais do Halloween e Natal, que só podem ser usadas por esse "seleto grupo".

Já a navegação personalizada é exclusiva do iOS. Ela permite definir o que será exibido na barra de navegação da rede social para definir a ordem dos conteúdos que mais usa. Funciona como uma espécie de "acesso rápido", com a seleção de no mínimo dois e no máximo seis itens, mantendo a parte inferior do app com a sua cara.

Temas para o app

Troque o branco e azul por algo que faça mais o seu estilo (Imagem: Reproduçao/Twitter)
Troque o branco e azul por algo que faça mais o seu estilo (Imagem: Reproduçao/Twitter)

A personalização do Twitter Blue também se expande para os temas da interface geral da rede social. A assinatura dá direito a usar os temas criados especialmente para tornar sua experiência mais colorida, conforme o gosto do cliente.

A combinação de cores escolhida é aplicada na página inicial e em outros elementos da interface, como ícones, botões e contornos. Há temas simples com cores básicas, como amarelo, vermelho, roxo, laranja e verde, e outros temporários, criados para celebrar alguma ocasião especial.

Leitor de threads

Segue o fio para entender o que o leitor de threads faz. Brincadeiras à parte, sabe quando as conversas ficam tão extensas que você se perde sobre quem disse o quê? São tantas intervenções, tantas interações e tantas coisas acontecendo, muita gente abandona a conversa.

Com o Twitter Blue, o leitor de threads pode ser ativado para transformar sequências longas em uma experiência mais prazerosa e organizada, com menos interrupções visuais — sem ícones, botões e opções pipocando na sua cara. Dá até para configurar alguns extras, como o tamanho do texto, de modo a tornar o uso aprimorado.

Assuntos em destaque

Para quem gosta de interagir e ler, o serviço traz um recurso para ressaltar conteúdos em alta na plataforma. O Blue reúne automaticamente os 25 principais tuítes, retuítes ou publicações com comentários das pessoas que você segue.

Chamada "Artigos em Destaque", a ferramenta aproxima os influenciadores do seu público e garante que você não perca nada em alta. O assinante pode tocar para exibir o conteúdo ou o perfil na listagem, entrar em conversas ou apenas observar o que cada pessoa comentou sobre um tópico.

Trata-se de uma espécie de Treding Tópics mais filtrado para o seu gosto, porque só considera aquelas pessoas importantes para você. Quem preferir, pode usar um filtro para definir o cronograma e exibir destaques das últimas 1, 2, 4, 8 ou 24 horas — este último é o padrão.

Vale lembrar que este recurso não tem nada a ver com a moderação de conteúdo nem conta com intervenção humana. Tudo é feito com o apoio do algoritmo de recomendação do Twitter, com base na sua atividade e gostos.

Suporte aprimorado

Assinantes do Twitter Blue recebem suporte dedicado para dúvidas específicas sobre o serviço. A equipe ajuda a resolver questões como gerenciamento da assinatura, acesso à conta em dispositivos, configurações específicas ou problemas com a inscrição.

Todos os recursos exclusivos dos assinantes também entram nesse rol de preferência. Apesar disso, ser assinante não garante tratamento VIP para outras coisas, como contas com acesso restrito, punições por descumprimento das diretrizes ou qualquer outro tipo de diferenciação.

Selo de verificação

O selinho azul agora será livre para qualquer um que assinar o Twitter Blue (Imagem: Divulgação/Twitter)
O selinho azul agora será livre para qualquer um que assinar o Twitter Blue (Imagem: Divulgação/Twitter)

O famoso selinho azul é o sonho de muitos usuários do Twitter porque ele garante a autenticidade do perfil, além de fazê-lo se destacar no meio da multidão. Antes, só obtinha o selo quem se enquadrava nos requisitos objetivos da plataforma. Mesmo assim, muita gente ainda reclamava que havia um toque de subjetividade no processo, afinal nem todos conseguiam o selo.

Para acabar com isso, Elon Musk prometeu que daria o ícone de verificação tão logo assumisse o Twitter para os assinantes do Blue. A plataforma ainda segue fazendo ajustes para tornar isso algo automatizado, mas é um recurso que certamente será incorporado e uma das principais vantagens da assinatura.

Segundo rumores, não será preciso apresentar nenhum documento de identificação, pois isso será feito com o cartão de crédito, no ato do pagamento. Bastará criar uma conta, preencher com os dados corretos, seguir o passo a passo de configuração e assinar o Blue para ganhar o selo.

Redução de propagandas

Anunciada por Musk, essa mudança diminuirá em até 50% a quantidade de propagandas exibidas no aplicativo do Twitter. A assinatura Blue original não oferecia o fim da publicidade, o que foi alvo de críticas dos usuários.

Embora seja positivo para as pessoas, estima-se que a medida possa causar prejuízo para a rede social, já que o valor pago pela assinatura é inferior ao volume arrecadado com a exibição de anúncios. Por enquanto, permanece como uma novidade do Blue, embora ainda não tenha sido oficializada.

Textos longos e busca aprimorada

Existe alguns rumores sobre uma possível adição de textos longos e ferramenta de busca melhorada. Musk disse que as novidades serão acompanhadas de oportunidades de monetização para o criador, como um acréscimo ao Super Follows. No entanto, ainda não há informações sobre como funcionará.

Qual é o futuro do Blue?

A ideia das mudanças no Blue é avalancar a quantidade de assinaturas para a rede social depender cada vez menos da verba dos anunciantes, que anda escassa nos últimos anos. Apesar disso, o valor mais caro do serviço pode afastar os atuais usuários e impedir o ingresso de novas pessoas, principalmente se houver paridade entre o dólar e moedas desvalorizadas.

Muita gente não vê tanta utilidade no Blue, e nem o desejado selinho azul será um diferencial mais. É aquela história da oferta e da procura: o ícone só era importante porque um seleto grupo o possuía. Se todos passarem a ter indiscriminadamente, deixará de ser um item cobiçado.

Estima-se que cerca de 100 mil pessoas sejam assinantes, número bastante reduzido se comparado aos mais de 320 milhões de usuários ativos da plataforma. Em termos de receita, o Twitter arrecadou cerca de US$ 1,2 bilhão (cerca de R$ 6 bilhões) no primeiro trimestre de 2022, dos quais apenas US$ 94 milhões vieram de assinaturas e fontes alternativas, como a venda de dados e serviços voltados para empresas (business-to-business).

O futuro do Twitter Blue ainda é incerto, mas a chegada de funcionalidades realmente importantes pode ajudar a rede social do passarinho a alçar voos muito mais imponentes sob o comando de Musk.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: