Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    55.221,39
    +623,70 (+1,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

O que é lobotomia? Ainda é permitido fazer? Como é o procedimento?

·5 min de leitura

Você já deve ter visto algum filme ou série em que um personagem é submetido à lobotomia, o agonizante procedimento cirúrgico cerebral realizado com uma ferramenta longa e pontiaguda e um martelo. Do grego λοβός [cérebro] e τομή [cortar], a palavra significa, literalmente, "secção cerebral". O procedimento foi introduzido no século 20, e a cirurgia sempre foi controversa, mas, por algumas décadas, ainda foi utilizada como um tratamento para esquizofrenia, depressão, transtorno bipolar, entre outras doenças mentais.

História da lobotomia

O neurologista português António Egas Moniz inventou a lobotomia em 1935, o que inclusive lhe rendeu um prêmio Nobel. As cirurgias tiveram sucesso no tratamento de pacientes com doenças como depressão, esquizofrenia e síndrome do pânico, mas com direito a efeitos colaterais graves, incluindo aumento da temperatura corporal, vômitos, incontinência urinária e intestinal e problemas oculares, além de apatia e letargia. A comunidade médica inicialmente criticou o procedimento, mas, mesmo assim, começou a usar em países ao redor do mundo.

A descoberta de Moniz foi baseada em procedimentos semelhantes aos que o neurocientista John Fulton, da Yale University, realizava em chimpanzés com comportamentos raivosos, tornando-os mais cooperativos e sem sinais de raiva ou frustração.

Como é o procedimento

Os primeiros procedimentos de lobotomia envolviam fazer um buraco no crânio e injetar etanol para destruir as fibras que conectavam o lobo frontal a outras partes do cérebro. Posteriormente, passaram a usar um instrumento cirúrgico denominado leucótomo, que, ao ser girado, fazia uma lesão circular no tecido cerebral.

O psiquiatra italiano Amarro Fiamberti desenvolveu um procedimento que envolvia acessar o lobo frontal através das órbitas oculares, mas em 1945, surgiu a lobotomia transorbital, um método em que o médico inseria a ferramenta na órbita do paciente com o auxílio de um martelo. O instrumento era movido de um lado para outro para separar o lobo frontal do tálamo, a parte do cérebro que recebe e transmite informações sensoriais. As lobotomias transorbitais não exigiam anestesia e eram mais rápidas.

Com o tempo, ficou cada vez mais claro que a cirurgia gerava efeitos negativos na personalidade do paciente, atrapalhando sua autonomia. Embora uma minoria de pessoas tenha notado uma melhora em seus sintomas após a lobotomia, a maioria ficava incapaz de se comunicar, andar ou se alimentar sozinha.

As instituições psiquiátricas desempenharam um papel crítico na prevalência da lobotomia. Na época, havia milhares de sanatórios, todos superlotados e caóticos. Ao administrar lobotomias a pacientes indisciplinados, os médicos poderiam manter o controle na instituição.

Casos famosos

O caso mais famoso de lobotomia é protagonizado por Rosemary Kennedy, irmã de John F. Kennedy, o 35º presidente dos Estados Unidos. Ela nasceu em 13 de setembro de 1918 em meio a um parto cheio de complicações, o que a levou a apresentar dificuldades de aprendizado. Apesar de ter frequentado várias escolas especiais, teve problemas para ler e escrever até a idade adulta.

Em sua fase adulta, Rosemary protagonizou diversos episódios violentos e ataques de raiva, atingindo quem estivesse por perto. Em um dos incidentes, por exemplo, Rosemary chegou a atacar subitamente seu avô materno, Honey Fitz. A família Kennedy chegou a interná-la em um convento, mas ela fugia diversas vezes. Quando as freiras relataram que Rosemary fugia para se encontrar com homens nos bares, o pai (Joseph Kennedy) decidiu tomar uma providência.

Em novembro de 1941, sem consultar a esposa, Joseph autorizou que Rosemary fose lobotomizada. Na época, ela tinha 23 anos. No entanto, depois da cirurgia, Rosemary nunca mais conseguiu mais andar ou falar. Durante a maior parte do tempo, sua existência foi um segredo.

Barbacena

No Brasil, grande parte das lobotomias aconteceu na cidade de Barbacena, em Minas Gerais, que em 1903 chegou a ser apelidada de “Cidade dos Loucos”, por conta da inauguração de sete instituições psiquiátricas. A mais famosa delas foi o Hospital Colônia. No entanto, 70% dos internados não apresentavam simplesmente nenhum registro de doença mental. Eram homossexuais, alcoólatras, militantes políticos, mães solteiras, mendigos, negros, pobres, índios, pessoas sem documento.

Os internos viviam mal, nus, forçados a trabalhar como suposta terapia em pátios ou em celas. Faltavam água encanada e alimentos. Muitos internos bebiam e se banhavam no esgoto a céu aberto. Cerca de 60 mil internos morreram de fome, frio ou diarreia durante nove décadas até o fechamento do Hospital Colônia, que aconteceu na década de 90. Os "tratamentos" envolviam choques e torturas físicas/psicológicas.

Lobotomia ainda existe?

A popularidade da lobotomia diminuiu na década de 1950, à medida que seus efeitos colaterais ​​se tornaram mais conhecidos. As críticas aos procedimentos também cresceram entre os profissionais da medicina, que denunciavam negligências, uma vez que boa parte dos médicos que realizavam o procedimento não era formada por neurocirurgiões. Ainda pior: alguns pacientes eram lobotomizados sem consentimento.

Foi justamente nessa época que os cientistas desenvolveram medicamentos psicoterapêuticos, muito mais eficazes e seguros no tratamento de transtornos mentais do que a lobotomia. Em 1960, o psiquiatra italiano Franco Basaglia  revolucionou o tratamento relacionado a transtornos mentais, investindo uma abordagem de reinserção territorial e cultural do paciente na comunidade, em vez de isolá-lo num manicômio à base de fortes medicações, vigilância ininterrupta, choques elétricos e camisas de força.

Devido aos resultados positivos que alcançou na Itália, a abordagem de Basaglia passou a ser recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a partir de 1973. A posição da OMS tornou o debate mundial. Atualmente, as operações psicocirúrgicas ainda existem, mas são realizadas raramente. A remoção de áreas cerebrais específicas é reservada para o tratamento de pacientes para os quais todos os outros tratamentos falharam.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos