Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.386,09
    +693,30 (+2,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

O que é freelancer?

·3 minuto de leitura

Freelancer é o profissional que realiza um determinado trabalho, mas não necessariamente possui vínculo formal com a empresa ou contratante. A palavra “freelancer”, aliás, é originada do inglês e possui algumas variações como “freela” ou até mesmo “frila”. Embora tenha ganhado força nos últimos tempos, a categoria ainda é rodeada por dúvidas e equívocos.

Vale destacar que essa categoria não está expressa na legislação brasileira. Em outras palavras, se você abrir a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), o termo “freelancer” não estará presente. Isso não significa, contudo, que os profissionais estão desamparados. Afinal, a atividade que exercem é devidamente regulamentada. Entenda, a seguir, o que é freelancer e as características desse segmento.

O que é freelancer?

Os freelancers podem criar perfis em sites especializados, através dos quais clientes em potencial possam contatá-los, ou divulgar o seu serviço por conta própria. (Imagem: Reprodução/Glenn Carstens-Peters/Unsplash)
Os freelancers podem criar perfis em sites especializados, através dos quais clientes em potencial possam contatá-los, ou divulgar o seu serviço por conta própria. (Imagem: Reprodução/Glenn Carstens-Peters/Unsplash)

O freelancer é um prestador de serviços que realiza trabalhos esporádicos para uma empresa ou cliente. Frequentemente, essa categoria é separada daquela que inclui os profissionais autônomos. Isso é, em muitos casos, um equívoco. Afinal, a atividade autônoma implica que o profissional trabalhe sozinho, isto é, desvinculado de uma empresa. Portanto, é possível que as atividades de freelancer e autônomo se reúnam em uma única pessoa.

A categoria, inclusive, ampara inúmeros setores, como artistas, designers, redatores, profissionais de TI, engenheiros, jornalistas, técnicos no geral, dentre outros.

Contratação e pagamento do freelancer

É possível que o freelancer seja contratado para exercer sua atividade. Nesse caso, deve ser feito um registro na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), bem como elaborado documento por escrito que especifique os sujeitos da relação, a demanda e a remuneração estabelecida. Segundo a legislação brasileira, o empregador não pode documentar a relação de qualquer maneira, mas por um contrato de trabalho intermitente.

A remuneração, inclusive, não é norteada por nenhum parâmetro legal. O valor do serviço ou produto, dessa forma, é determinado por uma das partes ou negociado. A sua base de cálculo pode ser a quantidade de horas trabalhadas ou a própria demanda satisfeita. Um redator, por exemplo, tem o pagamento definido a partir da quantidade de textos escritos ou das horas utilizadas para a realização do serviço.

Freelancer é PJ?

Por motivos de segurança, muitos freelancers optam por criar um CNPJ. Isso porque, ao se tornarem pessoas jurídicas, a Receita Federal permite o lançamento de notas fiscais, que são documentos responsáveis por detalhar o serviço prestado, o contratante e o valor devido.

Além de ser uma ferramenta de monitoramento do próprio profissional, que pode documentar a remuneração recebida, a nota fiscal também serve como um comprovante se o pagamento não for feito no prazo combinado ou, se realizado, esteja incorreto.

A figura jurídica mais presente nesse meio é a do Microempreendedor Individual (MEI). A sua obtenção é gratuita, rápida e acessível, embora ainda seja um pouco burocrática. Ao se tornar um MEI, o freelancer precisará contribuir mensalmente com o INSS. Uma das maiores facilidades dessa figura está relacionada à Declaração de Imposto de Renda que, em comparação à declaração da pessoa física, é exponencialmente simplificada. O freelancer, então, não precisa adquirir um CNPJ, mas isso é altamente recomendável.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos