Mercado fechado
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,23
    -1,03 (-1,45%)
     
  • OURO

    1.809,30
    -8,80 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    38.198,29
    -742,62 (-1,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    928,35
    -15,09 (-1,60%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.105,72
    +24,00 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    15.035,00
    +82,25 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1651
    +0,0210 (+0,34%)
     

O que é Efeito Thatcher e por que ele dá um verdadeiro nó no nosso cérebro?

·2 minuto de leitura

De vez em quando, imagens da internet nos fazem lembrar de como o cérebro pode nos pregar peças. E um desses casos é o Efeito Thatcher. Você já ouviu falar desse fenômeno?

Já faz um tempo que vem circulando pela internet uma imagem da cantora Adele, em que seu rosto está de ponta cabeça. Analisando o rosto à primeira vista, nada parece errado, mas se pegarmos essa imagem e invertermos, tudo fica muito mais bizarro. Experimente você mesmo. Vire essa foto de cabeça para baixo:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

A ilusão de Thatcher foi relatada pela primeira vez pelo professor Peter Thompson, da Universidade de York, em 1980, e levantou olhares para como o cérebro processa os rostos. Em geral, os rostos são compostos das mesmas características: dois olhos, um nariz, uma boca e assim por diante. Uma maneira pela qual nossos cérebros podem processar rostos é analisá-los como uma coleção dessas características individuais separadas.

Porém, se fosse esse o caso, poderíamos esperar ser mais fácil detectar quaisquer discrepâncias em uma face de cabeça para baixo. O fato de não fazermos isso sugere que não processamos apenas características individuais, mas também as posições e relações entre essas características.

Então, quando nos deparamos com uma face invertida, não podemos processar facilmente as informações sobre a configuração, e contamos apenas com as informações sobre os recursos individuais.

Tudo parece certo, a princípio: a boca parece uma boca, os olhos parecem olhos. No entanto, quando vemos o rosto da maneira certa, de repente as informações de configuração entram em ação novamente. Usando isso em conjunto com as informações sobre recursos individuais, é fácil identificar imediatamente que algo está errado.

Ficou ainda mais curioso? Veja como funciona o efeito no vídeo abaixo!

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos