Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,35 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,36
    +0,01 (+0,01%)
     
  • OURO

    1.820,90
    -8,80 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    36.857,31
    -84,95 (-0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    835,69
    -20,12 (-2,35%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,61 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    24.289,90
    +46,30 (+0,19%)
     
  • NIKKEI

    27.011,33
    -119,97 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.268,00
    +109,50 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1054
    -0,0467 (-0,76%)
     

O pulmão de um ex-fumante pode se recuperar e voltar ao normal?

·2 min de leitura

Já ficou muito claro, para a medicina, que o cigarro acarreta incontáveis danos para o pulmão. No entanto, especialistas continuam estudando como o órgão fica alguns anos depois que a pessoa parou de fumar. Um estudo publicado na revista científica Nature já apontou que as células do pulmão que não foram danificadas pelo tabagismo podem regenerá-lo, por exemplo.

Segundo o estudo, grande parte das células retiradas das vias respiratórias de um fumante sofrem alterações genéticas, com exceção de um pequeno número, que se mantém ileso mesmo após décadas de tabagismo. Essas células reabastecem o revestimento das vias aéreas.

"O tabagismo aumenta a carga mutacional, a heterogeneidade e as mutações das células, mas o abandono do hábito promove a reposição do epitélio brônquico [mucosa que reveste boa parte do trato respiratório]", afirma o estudo.

As células não danificadas pelo tabagismo podem regenerar o pulmão (Imagem: Robina Weermeijer/Unsplash)
As células não danificadas pelo tabagismo podem regenerar o pulmão (Imagem: Robina Weermeijer/Unsplash)

Poucos dias após deixar o hábito, o ex-fumante já pode notar uma melhora no olfato e no paladar. O risco de ataque cardíaco e de doenças cardíacas diminui. Após o primeiro mês, conforme os pulmões se regeneram, a pessoa tem menos tosse e menos dificuldade para respirar.

Após nove meses, os pulmões já estão parcialmente regenerados. Ao ficar dez anos sem cigarro, o ex-fumante tem metade das chances de desenvolver câncer de pulmão, em comparação com alguém que segue com o vício.

A FDA (Food and Drug Administration, agência de saúde dos EUA) ressalta que o tabagismo pode ter consequências graves nos pulmões em todas as idades. "Os pulmões de bebês cujas mães fumaram durante a gravidez podem se desenvolver de forma anormal, e adolescentes que fumam podem desenvolver pulmões menores e mais fracos que nunca crescem até o tamanho normal e nunca funcionam em sua capacidade máxima", afirma o órgão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos