Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,43
    +0,67 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.793,70
    -2,60 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    61.724,93
    +668,39 (+1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.079,99
    -46,94 (-0,18%)
     
  • NIKKEI

    28.564,63
    -240,22 (-0,83%)
     
  • NASDAQ

    15.332,50
    -8,50 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5768
    -0,0040 (-0,06%)
     

O padrão das baleias: Já está na hora de comprar bitcoin?

·3 minuto de leitura
Movimentos de baleias em gráfico do Bitcoin
Movimentos de baleias em gráfico do Bitcoin

Ao contrário do meme “compre na alta e venda na baixa”, as baleias costumam aproveitar as quedas para comprar e as altas para realizar seus lucros.

Os dados on-chain do site Santiment mostram que nos últimos 12 meses, as baleias, que possuem entre 100 e 100.000 BTC em suas carteiras, passaram apenas 3 meses despejando suas moedas e mais de 9 meses acumulando.

As vendas foram realizadas em períodos de alta durante janeiro, maio e agosto e logo após as baleias voltaram a comprar.

Hoje as baleias possuem mais de 9 milhões de BTC, representando quase metade da oferta total da moeda digital, que hoje está em 18,8 milhões de unidades.

O Bitcoin caiu 25% em duas semanas, já está na hora de comprar?

Tanto a crise imobiliária quanto o banimento do Bitcoin, ambos da China, derrubaram o preço de todas criptomoedas. O Bitcoin, maior moeda, apresentou uma queda de 25% em cerca de duas semanas.

As baleias não parecem preocupadas, como visto no tweet acima, os seus estoques de BTC estão quase estáticos. Isso significa que elas não venderam e que possivelmente estão esperando que o preço volte para cima dos 50.000 dólares.

Entretanto, elas também não estão comprando, é bem provável que estejam esperando por uma melhor definição do atual cenário da China, visto que o governo pode tanto salvar a Evergrande quanto deixá-la falir, além de precisar tomar outras atitudes, como fez em relação ao Bitcoin ao tentar forçar seu povo a não desvalorizar a sua moeda, o CNY.

Embora o Bitcoin tenha um grande suporte na faixa dos 40.000 dólares, ele já foi testado uma vez e um possível colapso da China pode impactar as finanças do mundo inteiro, fazendo com que essas baleias convertam parte de seus BTC para aproveitar outras oportunidades ao alocar este dinheiro em outros investimentos.

Deixando de lado os endereços de exchanges, a maior baleia conhecida já está acumulando. Na terça-feira ela adicionou 321 BTC a sua carteira, seguidos por mais 408 BTC na quarta e 208 BTC ontem. Embora não se saiba se o dono da carteira seja uma pessoa ou instituição, o endereço já acumula 112.410 BTC no total.

O banimento da China

Mesmo com o preço caindo devido as ações da China, muitos estão felizes que o governo chinês não tenha mais tanta influência no preço do Bitcoin. Um bom exemplo é Michael Saylor, CEO da empresa pública que mais tem BTC em caixa.

“Nada criou mais riqueza na última década do que tecnologias banidas na China. #Bitcoin”

A provocação de Saylor refere-se a certos aplicativos, bem comum para todos nós, que foram banidos da China. Entre eles, Google, Facebook, Amazon e WhatsApp, todos substituídos por versões chinesas com funções parecidas. Hoje a maioria destes aplicativos ocupam as melhores posições da lista das maiores empresas do mundo.

O mesmo caminho é esperado para o Bitcoin, que embora já seja gigante, pode crescer muito mais.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos