Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.305,85
    -2.127,86 (-3,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Nanorobô promete ajudar espermatozoides 'preguiçosos'

·1 minuto de leitura
Espermatozoide e óvulo
Publicações na rede social citavam, erroneamente, o spermbot como um efeito colateral das vacinas contra a Covid-19
(Getty Images)
  • Nanorobô é capaz de deslocar espermatozoides com deficiência de movimento 

  • Pesquisa foi publicada em 2016, mas imagens fizeram sucesso no Twitter só agora 

  • Caso outros estudos sejam realizados, poderá ser uma alternativa para fertilização no futuro

Um vídeo no Twitter tem feito sucesso ao mostrar uma solução para espermatozoides preguiçosos. Trata-se do spermbot, um nanorobô capaz de conduzir os pequenos nadadores até o óvulo e ajudar nos casos de infertilidade masculina.

Apesar de terem feito sucesso agora, as imagens não são novas. Pelo contrário: foram gravadas em 2016 como parte da pesquisa realizada pelo Instituto Alemão de Nanociências Integrativas. Os resultados do estudo foram publicados no periódico científico Nano Letters.

Leia também:

'Corpo' do spermbot abraça espermatozoides

A forma com que o robô funciona chama bastante a atenção. Seu formato de hélice de metal envolve o gameta em um abraço e prende-se à cauda dele por meio de um campo magnético giratório. Com isso, consegue deslocar os espermatozoides com deficiência de movimento, tornando-se uma possível forma de fertilização.

Entretanto, antes de entrar na lista de opções de futuros papais, o spermbot ainda precisa encarar diversos estudos, inclusive no corpo humano. No vídeo, a captura do espermatozoide foi realizada em laboratório, e pesquisas sobre a compatibilidade do material com o tecido vido são necessárias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos