Mercado fechará em 5 h 36 min

O misterioso milionário do caso de insider trading em Londres

Franz Wild, Aaron Kirchfeld e Gaspard Sebag
Foto: Chris J Ratcliffe/Getty Images

*(Atualiza reportagem publicada originalmente em 3 de julho de 2019 para acrescentar comentários da porta-voz de Fiyaz após a publicação e adiciona informações e contextos a partir do quarto parágrafo.)

Quando Alshair Fiyaz, um rico empresário com cabelo desgrenhado, entrou no jardim do Four Seasons Hotel em Londres, em uma agradável noite de junho há cinco anos, não tinha ideia de que estava sendo seguido. Fiyaz tinha um encontro com Walid Choucair, um operador vestindo moletom de capuz que colecionava objetos do “Star Wars” e guitarras caras. Nenhum dos dois percebeu que um agente da Agência Nacional contra o Crime, ou NCA, havia colocado um gravador no jardim.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

O investigador estava seguindo as pistas de Fiyaz em conexão com uma investigação sobre insider trading, ou informação privilegiada, sendo conduzida pela NCA, o equivalente ao FBI no Reino Unido. Choucair não era suspeito, e o policial não sabia quem ele era antes de instalar o dispositivo. Mas, depois do encontro, o agente seguiu Choucair até um apartamento perto do Royal Albert Hall, nos arredores do Hyde Park.

Leia também

Aquele fatídico encontro no Four Seasons, recontado no tribunal, transformaria Choucair -- cuja vida era uma busca cheia de adrenalina por informações sobre grandes negócios -- no réu mais popular de insider trading da Europa. E seus dois julgamentos - o primeiro terminou no ano passado com júri suspenso; o segundo com uma condenação na semana passada - abriram uma janela para uma rede ampla de traders de Londres a Dubai, bem como para uma investigação multinacional sobre operações com informações privilegiadas.

O nome de Fiyaz e os detalhes da reunião do Four Seasons surgiram com frequência nos julgamentos. Choucair disse que frequentemente discutia negócios com Fiyaz, que se deu tão bem ao ponto de comprar um iate de 86 metros e um clube de polo. Os dois haviam festejado no Tramp, um clube londrino frequentado por estrelas do rock e membros da nobreza, onde gastavam milhares de dólares em garrafas de Cristal de três litros - embora o gerente do Tramp tenha testemunhado que não tinha conhecimento de que Choucair e Fiyaz eram amigos. Instituições financeiras alertaram reguladores do Reino Unido sobre as operações de Fiyaz 71 vezes em 2013 e 2014, disse o advogado de Choucair ao tribunal, citando informações do regulador. Uma porta-voz de Fiyaz disse que os registros de atividades suspeitas se referiam a apenas 27 negociações e foram acionados porque instituições financeiras são obrigadas a sinalizar transações quando um operador ganha mais de 10 mil libras por dia. Ela disse que ele nunca foi entrevistado ou acusado de qualquer crime e nega qualquer sugestão de irregularidade.

Mas evidências, depoimentos e documentos legais dos julgamentos de Choucair, bem como entrevistas com operadores, amigos, advogados e pessoas próximas à investigação sugerem que Fiyaz pode ter feito parte de uma rede que cultivava relações com banqueiros, compartilhava dicas por meio de telefones pré-pagos para evitar rastreamento, fornecia informações para jornalistas e, muitas vezes, monitorava secretamente operações de outros operadores. Usando seu próprio dinheiro ou fundos de associados com alto patrimônio, lucraram dezenas de milhões de dólares apostando em ações pouco antes de uma notícia fazer disparar o preço dos papéis. Em 2014, o núcleo da rede, com cerca de uma dúzia de traders, faturou mais de US$ 100 milhões, número calculado com a soma de valores de documentos enviados à comissão de valores mobiliários e conversas com operadores.

Reguladores na França e no Reino Unido, onde negociações anormais ocorrem antes de mais de uma em cada cinco aquisições, identificaram o timing suspeito das transações de Fiyaz, Choucair e outros. Além de Choucair e Fabiana Abdel-Malek, então diretora de compliance do UBS, condenada no mesmo julgamento por fornecer informações a ele de um banco de dados confidencial, sete homens, incluindo o trader de Genebra Alexis Kuperfis e o ex-banqueiro Stephane Fima, do Société Générale, foram acusados ​​de insider trading na França. Todos negam as acusações. Outro operador preso na Sérvia em novembro, sob um mandado de prisão dos EUA que o acusava de ter cometido fraudes com valores mobiliários, foi extraditado em maio, confirmaram autoridades sérvias. Promotores dos EUA estão colaborando com agentes europeus em sua própria investigação, informou a Bloomberg News no mês passado.

A porta-voz de Fiyaz disse que ele não foi questionado sobre insider trading ou má conduta financeira na França ou em qualquer jurisdição. Loic Henriot, advogado de Kuperfis, disse que seu cliente nunca fez parte de uma rede de traders que trocavam informações. David-Olivier Kaminski, advogado de Fima, disse que seu cliente não tem nada a ver com as investigações que levaram à condenação de Choucair.

Choucair, agora com 40 anos, testemunhou em seu julgamento sobre sua primeira conversa com Fiyaz, seis anos mais velho, em um caro restaurante chinês em Londres por volta de 2005. Eles haviam se encontrado no clube Tramp, onde Choucair, filho de um executivo libanês do setor de construção, era sócio. Fiyaz e seu irmão Javed começaram a frequentar o clube naquele ano, segundo duas pessoas que vão ao local. Eles chegavam em Rolls-Royces separados, desciam as escadas, passavam pelo letreiro vermelho Let’s Get Tramped e acampavam em um canto, cercados por várias mulheres. Choucair gastava milhares de dólares no clube duas ou três vezes por mês. Sempre que pedia uma garrafa de champanhe de US$ 4 mil, a equipe tocava o tema de “Star Wars” e anunciava que o “Líbano está na casa”, de acordo com pessoas que estiveram no clube com ele.

Choucair estava com um amigo que conhecia Fiyaz quando se viram no restaurante chinês. Eles começaram a conversar. “Passamos a noite toda tomando bebidas, nas quais eu era muito bom, e conversando, nas quais ele era muito bom”, testemunharia Choucair em seu julgamento 14 anos depois, tentando explicar que suas dicas de ações vinham de operadores como Fiyaz e Kuperfis, e não de sua amiga no UBS.

Choucair teve uma educação privilegiada em Londres. O operador estudou na Mill Hill, uma escola fundada há 212 anos com uma área verde de 60 hectares. Mas foi algo mais avant-garde que acelerou seu coração quando jovem. Quando viu o solo do guitarrista Slash, do Guns N’Roses na TV um dia, decidiu que também queria ser um herói da guitarra. Quando tinha 18 anos, seu pai morreu e ele herdou a fortuna. Passou os anos seguintes se embebedando e, em seus momentos sóbrios, obteve um diploma de administração no King’s College London, disse em seu julgamento. Comprou um Aston Martin, começou a colecionar guitarras e encheu seu apartamento com figuras em tamanho natural de sua outra obsessão de infância, “Star Wars”.

Fiyaz foi criado com o irmão na Bélgica, para onde o pai, um empresário paquistanês, havia se mudado. Iniciaram a carreira em uma empresa da família e ganharam dinheiro com remessas e diversos investimentos, como blocos de petróleo da Nigéria, lojas de departamentos dinamarquesas e uma chocolatier, de acordo com pessoas que os conheceram e informações de seus sites. Mas também chamaram a atenção da polícia belga, que suspeitava que os irmãos tinham um esquema para evitar o pagamento de impostos de valor agregado, disseram duas pessoas a par do assunto. A investigação foi encerrada depois que Fiyaz e o irmão fizeram um acordo na casa dos sete dígitos, segundo uma das pessoas. Nenhum dos dois foi acusado e não houve admissão de irregularidades. A porta-voz de Fiyaz disse que a disputa questionava se as vendas de sua empresa eram isentas de impostos.

Em meados dos anos 2000, os irmãos haviam se mudado para Londres, onde causaram alvoroço na cena social de Mayfair. Alshair, o mais jovem e mais atlético dos dois, estava permanentemente vestido para ir a uma festa. Ele e Javed sentavam frente a frente em duas imponentes mesas em um escritório atrás do Dorchester Hotel, onde administravam seus negócios de envios. Eles disseram às pessoas que estavam buscando novas oportunidades de investimento.

Quando Choucair viu o sistema de negociação de Fiyaz, segundo seu depoimento, ficou intrigado e quis participar. Ele disse que Fiyaz e Kuperfis, apelidado de Cowboy por acertar o alvo com tanta frequência, mostraram a ele como negociar competitivamente contratos por diferença, ou CFDs, derivativos que permitem a uma pessoa apostar na ação de uma empresa sem possuir ações. É uma maneira de negociar com margem. Com um adiantamento relativamente pequeno, os lucros e perdas podem exceder os resultados quando há compra de ações. Muitos países restringiram esse tipo de venda porque investidores de varejo podem subestimar os riscos e incorrer em perdas enormes.

Choucair e seus associados eram um grupo paradoxal. Confiavam um no outro para dar dicas, mas suspeitavam que outros os estavam espionando. Fiyaz acusou seus corretores de contar às pessoas sobre suas posições no mercado, de acordo com quatro dos operadores, nenhum dos quais foi testemunha no caso. Alguns o acusaram de investigar suas posições de negociação. A discrição era primordial, e isso incluía o uso de comunicações não rastreáveis, Choucair disse em seu depoimento. Em pouco tempo, Choucair tinha quatro celulares com cartões SIM não registrados para operadores com os quais mantinha conversas. Fiyaz insistiu em ter uma linha dedicada a ele, disse Choucair no tribunal. No intervalo de alguns meses, operadores substituíam seus cartões SIM e, frequentemente, seus aparelhos. A porta-voz de Fiyaz não quis comentar as especificidades do depoimento de Choucair, mas disse que o júri que condenou Choucair claramente considerou sua tentativa de culpar Fiyaz como inverídica.

Em 2011, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês) congelou ativos de empresas pertencentes à Fiyaz e outro operador, sob o argumento de que as companhias eram suspeitas de ganhar milhões de dólares com a ajuda de informações privilegiadas para negociar com base na aquisição da Arch Chemicals pela Lonza por US$ 1,2 bilhão, da qual Fiyaz teria se beneficiado. As autoridades arquivaram o caso no ano seguinte por falta de provas, e Fiyaz não foi acusado de insider trading. Os investigadores lamentaram que o outro operador tivesse prejudicado a investigação ao descartar um BlackBerry que advogados da SEC acreditavam conter mensagens de texto sobre suas atividades, segundo documentos legais dos EUA.

No caso de Choucair, a Autoridade de Conduta Financeira (FCA, na sigla em inglês), que liderou a investigação, estava convencida de que havia encontrado a pessoa que fornecia informações para ele. Choucair conheceu Fabiana Abdel-Malek por meio de suas mães. A mãe de Choucair pediu à mãe de Abdel-Malek para fazer cortinas para as janelas altas do apartamento do filho. Elas se deram bem e apresentaram os filhos um ao outro. Abdel-Malek, a mais velha de três filhas de cristãos coptas religiosos do Egito, era mantida em rédea curta, mesmo quando conseguiu emprego no UBS em Londres, em 2007. No início de 2013, Abdel-Malek era uma diretora de compliance relativamente experiente de uma divisão do banco recentemente reestruturada. Ela poderia ter acesso a qualquer acordo em que o UBS estivesse envolvido.

Por anos, ela teve pouco contato com Choucair. Mas, naquela primavera, se reconectaram, e ele convidou Abdel-Malek e um amigo para ir ao Tramp para comemorar seu aniversário, segundo depoimento dela no tribunal. Naquela noite, ele gastou 10 mil libras em champanhe, vodca e sanduíches do clube, segundo dados revelados no tribunal, e a festa durou até as 3 horas da madrugada. A amizade deles se aprofundou, embora ambos dissessem que não tinham uma relação amorosa. Posteriormente naquela primavera, ele comprou um BlackBerry idêntico ao celular que ela tinha no trabalho, com um cartão SIM descartável.

Os promotores tinham registros de bancos de dados da empresa mostrando que Abdel-Malek estava investigando acordos. Ela disse no tribunal que fez isso para melhorar seu conhecimento sobre negócios, algo que seus gerentes haviam pedido que fizesse. Ao longo do ano seguinte, disseram os promotores, havia cerca de 30 acordos os quais ela continuava acompanhando, avisando Choucair quando algo era iminente, embora a dupla tenha sido acusada por envolvimento em apenas cinco deles. Quando os promotores apresentaram um motivo ao júri, disseram que o glamour de ir ao Tramp era suficiente.

Enquanto isso, o grupo mais amplo de operadores continuava escolhendo ações antes que notícias de fusões pendentes fossem divulgadas. Fiyaz e Kuperfis fizeram uma negociação combinada de 55 milhões de euros (US$ 62 milhões) antes do anúncio em 2014 do acordo da General Electric para adquirir a maior parte da Alstom, segundo registros judiciais e pessoas com conhecimento do assunto. A porta-voz de Fiyaz disse que não estava disposta a comentar sobre ganhos com negociações dele, mas negou qualquer impropriedade.

Com o tempo, Fiyaz comprou uma mansão nos arredores de Paris, o Polo Club of St. Tropez e um iate chamado Ecstasea, com duas plataformas de pouso de helicóptero que pertenceram ao bilionário russo Roman Abramovich. Embora não se saiba quanto Fiyaz pagou pelo iate, o proprietário anterior o comprou por 100 milhões de euros em 2009, de acordo com documento judicial do Reino Unido. Em 2016, Fiyaz organizou uma festa a bordo do Ecstasea para arrecadar fundos para a Fundação Leonardo DiCaprio, disse sua porta-voz. Por motivos de privacidade, ela não quis dizer quanto Fiyaz pagou pelo iate.

Mas a rede de negociação iria enfrentar problemas. Mesmo antes do acordo GE-Alstom, um amigo de outro membro do grupo, um advogado de fusões e aquisições, estava se divorciando. A situação ficou desagradável, e o ex-cunhado do advogado escreveu uma carta a investigadores franceses dizendo que havia escutado uma troca de dicas dele com um operador, segundo pessoas com conhecimento da informação.

Investigadores já haviam dedicado recursos para reprimir o uso de informações privilegiadas, motivados em parte pela desaprovação do governo francês pelo fato de que informações sobre o acordo da GE-Alstom haviam vazado para a imprensa. Reguladores rastrearam registros telefônicos conectando o grupo, disseram pessoas a par do assunto. Colocaram grampos, inclusive no telefone do proprietário de um salão de beleza em um dos hotéis mais exclusivos de Paris, de quem suspeitavam ser um intermediário, de acordo com documentos de investigação franceses. A trilha levou a estâncias de esqui francesas, Ilhas Cayman, Genebra e, finalmente, ao jardim do Four Seasons Hotel, em Londres.

Uma transcrição da gravação feita no Four Seasons e mostrada ao júri no julgamento de Choucair revelou que ele conversava com alguém ao telefone sobre um acordo para uma empresa de energia dos EUA. Choucair disse no depoimento que a pessoa era Jeffrey McCracken, na época responsável pela cobertura de acordos da Bloomberg News.

Choucair disse que costumava falar com repórteres, às vezes a pedido de outros operadores, na esperança de confirmar suas dicas e publicar um artigo que faria o preço das ações subir. Naquele dia, Choucair testemunhou no segundo julgamento, Fiyaz tinha ido a Londres para discutir o acordo de energia. McCracken, que deixou a Bloomberg em 2017 para trabalhar na CNBC e não foi acusado de qualquer irregularidade, não comentou.

Repórteres da Bloomberg recebem regularmente informações de pessoas ativas no mercado e foram os primeiros a relatar vários acordos mencionados neste artigo. A política desta organização de notícias é a de não publicar informações sem confirmar com pessoas que têm conhecimento direto do assunto. A política também proíbe revelar às fontes quando um artigo será publicado.

Choucair parecia ter conhecimento sobre a investigação antes de ser preso. Em novembro de 2014, ligou para Kuperfis para alertá-lo. Há uma “’f-king‘ grande investigação”, deixou escapar em uma conversa gravada por investigadores franceses e reproduzida no julgamento de Choucair. Em questão de semanas, Kuperfis e outras duas pessoas foram alvo de buscas na França e em Genebra. Kuperfis foi acusado de uso de informação privilegiada na França por sua negociação antes da aquisição da Airgas pela empresa química Air Liquide por US$ 10 bilhões, mas ele contestou a legalidade das escutas telefônicas e o caso ainda não foi julgado. Seu advogado disse que não poderia comentar sobre o caso, a não ser dizer que as acusações são infundadas.

Os advogados de Choucair disseram no tribunal que seu cliente sabia da investigação porque foi informado por Fiyaz que, segundo o advogado, alegou ter obtido as informações de um intérprete da Agência Nacional de Crimes, de acordo com o resumo do juiz sobre as acusações e que decidiu que não deveriam ser compartilhadas com o júri. Antes de sua prisão, mas depois de saber da investigação, Choucair havia escrito uma carta que escondeu debaixo de um tapete em seu apartamento e que foi descoberta pelos investigadores, de acordo com o resumo do juiz. Nela, segundo o resumo, ele descreveu o que Fiyaz teria dito a ele sobre suas fontes da NCA. A NCA disse em dezembro de 2018 que estava investigando o assunto. A porta-voz de Fiyaz disse que ele não foi avisado de ter sido objeto de qualquer investigação. A NCA, que não quis comentar, nem sempre alerta os suspeitos. O juiz descreveu a carta de Choucair como “egoísta”.

O apartamento de Choucair foi investigado em busca de aparelhos de escuta, disse uma pessoa a par do assunto, embora nenhum tenha sido encontrado. Ele ligou para a FCA, disse seu advogado no tribunal. Então, às 6h30 da manhã de setembro de 2015, alguém bateu na porta. Cerca de uma dúzia de agentes da NCA o prenderam por insider trading. “Eu sabia que vocês estavam vindo”, disse Choucair, de acordo com relato do advogado dele no tribunal.

Do outro lado da rua, os agentes fizeram uma busca na casa da mãe dele. A alguns quilômetros de distância, a irmã de Abdel-Malek a despertou em seu quarto no último andar da casa da família. Dois agentes da NCA haviam chegado para prendê-la. Eles encontraram uma folha impressa com informações confidenciais de preços em uma bolsa Chanel e, de acordo com pessoas com conhecimento do assunto, um Rolex novo de 30 mil libras, equivalente a mais de um quarto de seu salário anual, além de um recibo. O júri não foi informado sobre o relógio.

Alguns meses após sua libertação, Choucair foi chamado de volta à delegacia. Dois investigadores da FCA estavam sentados em frente a ele em uma pequena sala sem nada que chamasse a atenção. Eles continuaram fazendo perguntas sobre Fiyaz, Kuperfis e outros, disse o advogado de Choucair no tribunal. Choucair ficou calado.

Durante o primeiro julgamento no outono passado, o pai de Abdel-Malek, de cabelos brancos, estava sentado na galeria cerrando os dentes, segurando uma cruz de madeira e fotografias da família. Promotores não conseguiram identificar nenhum pagamento recebido por ela, e seu advogado disse ao júri que Fiyaz e outros operadores eram uma fonte de informação tão provável para Choucair quanto Abdel-Malek. Afinal, eles haviam apostado muito mais nas mesmas negociações, e Choucair mantinha contato frequente com eles antecipadamente.

Em dezembro, alguns dias antes do final do primeiro julgamento, Choucair retornou ao Tramp. Estava tocando guitarra com sua banda White Collar. A sala estava escura, e Choucair, vestindo moletom e de tênis Converse, permanecia no fundo, mal se movendo ao som da música. Os outros quatro integrantes da banda, vestindo couro, com tatuagens e delineador, preenchiam o pequeno palco. Então, Choucair se adiantou para cantar “It’s My Life”, de Bon Jovi. Quando o grupo tocou “Sweet Child o’ Mine”, do Guns N’ Roses, o baixista tirou a camisa e subiu na bateria embaixo de um lustre. Um membro da banda pegou o microfone e animou o público. “Este pode ser o nosso último show”, disse, sem explicar que o homem que estava bancando o grupo poderia ir para a cadeia.

Não foi o último show de Choucair. O júri não conseguiu chegar a um veredicto. No segundo julgamento neste ano, Fiyaz se envolveu mais no processo. Às vezes, tinha até cinco advogados no tribunal. Um deles foi um advogado de defesa que disse ao juiz que Choucair havia acusado falsamente Fiyaz de irregularidades. “Essas são acusações muito sérias feitas contra meu cliente”, disse o advogado. “Essas são acusações negadas por ele. Ele nunca foi preso ou acusado por qualquer um desses assuntos. A FCA nunca o alertou ou o convocou em relação a qualquer um desses assuntos. É um homem com histórico de bom caráter.”

Então, pouco antes de Choucair ser interrogado, a FCA disse ao júri que havia recebido informações de que Fiyaz, por meio de um intermediário, tinha um informante no Citigroup, que supostamente estaria em uma posição de fornecer informações a ele sobre duas transações na acusação. A agência disse que não teve tempo de investigar se alguma informação confidencial havia sido passada para Fiyaz e não havia evidências de que ele tivesse recebido tal informação. Na semana passada, o Wall Street Journal relatou detalhes adicionais sobre o suposto intermediário. Uma porta-voz do Citigroup não comentou. Fiyaz “nega veementemente” que tenha negociado com informações privilegiadas obtidas do Citigroup ou de qualquer outra instituição financeira, disse sua porta-voz.

Desta vez, a estratégia de defesa “Fiyaz foi meu informante” não funcionou. Tanto Choucair quanto Abdel-Malek foram considerados culpados sobre as cinco acusações e condenados a três anos de prisão. Ambos planejam recorrer.

Fiyaz não estava no tribunal durante o julgamento de oito semanas ou para o veredicto. Operadores e advogados não sabiam ao certo onde ele estava. Um disse na Argentina. Outro disse que ele tinha sido visto em um chalé de esqui nos Alpes. Em maio, o nome de Fiyaz apareceu na lista de uma equipe de polo que disputava o Sun Trophy em seu clube na França, que uma vez exibiu modelos com pouca roupa e Bentleys brancos para os convidados. (A porta-voz de Fiyaz disse que ele não estava envolvido nas operações do dia a dia do clube e que ele não tolera a objetificação das mulheres.)

Mas, em um atípico domingo chuvoso, não havia sinal de Fiyaz dentro ou fora do campo de polo escondido em uma floresta a cerca de 20 minutos a oeste de St. Tropez de carro. Na seção dos sócios, uma dúzia de espectadores sentados em poltronas de vime, abrigados por toldos, enfrentaram o mau tempo para assistir à equipe de Fiyaz dar uma surra de 5x2. Quando perguntado após a partida por que Fiyaz havia sido substituído por outro jogador, um funcionário do clube disse que havia recebido ordens para não falar. A razão, disse a porta-voz dele algumas semanas depois, foi que a partida aconteceu durante o mês sagrado muçulmano do Ramadã, e Fiyaz estava em jejum.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.