Mercado fechado

O lado mais obscuro do Twitch tem nome: pirataria

Nathan Vieira

Nesta quarta-feira (15), a revista Wired jogou no ventilador a parte mais obscura da Twitch: a pirataria, e usou como exemplo o jogo do Liverpool contra o Flamengo ocorrido no dia 21 de dezembro. No decorrer do jogo, três das dez principais transmissões ao vivo listadas no diretório da Twitch foram da partida, com 14 mil, 33 mil e 53 mil espectadores, respectivamente.

No entanto, segundo o que aponta a revista norte-americana, as  violações de direitos autorais não foram uma anomalia da Copa do Mundo de Clubes, pois as transmissões piratas ficam ao vivo por horas e horas. A Twitch foi e continua sendo o lar de transmissões esportivas ilícitas: uma partida de boxe no final de dezembro atraiu mais de 86 mil espectadores e uma partida de futebol em meados de janeiro atraiu mais de 70 mil em três transmissões ao vivo. 

Embora a Twitch muitas vezes os impeça no meio do jogo, muitas transmissões ao vivo postadas em contas descartáveis ​​com nomes como "Sem título" escapam do pente fino e atraem dezenas de milhares de espectadores.

Como o valor dos direitos da mídia esportiva subiu para mais de US$ 20 bilhões (o equivalente a R$ 80 bilhões) nos EUA, os detentores de direitos autorais têm mais incentivo do que nunca. No entanto, a pirataria persiste. O site de stream FirstRow Sports, por exemplo, apresenta uma safra de transmissões ilícitas para jogos que vão do hóquei no gelo ao basquete e atrai mais de 300 mil visitantes diários, de acordo com dados da empresa de análise SimilarWeb. 

Somente em janeiro de 2019, fãs do esporte acessaram sites de pirataria esportiva 362,7 milhões de vezes, segundo dados da empresa de pesquisa de pirataria digital Muso. No Discord, benfeitores anônimos distribuem links para transmissões ao vivo de futebol, e depois que uma transmissão é retirada, outra é criada imediatamente.

Cada vez mais, esses links levam à Twitch, cujas credenciais como plataforma principal a tornam uma opção relativamente segura - especialmente depois que o Reddit encerrou o popular subreddit r/soccerstreams da pirataria de futebol. 

“Os dias mais antigos de transmissões (há mais de 5 anos) estavam cheios de anúncios e vírus”, diz um moderador do Discord de transmissões de futebol que usa Tom. “Embora seja considerado ilegal, para mim é o mesmo que assistir a pornô e ter menos de 18 anos.” Ele acrescenta que alguns dos sites de pirataria com aparência mais "tosca" ainda são mais populares, oferecem fluxos de qualidade superior e têm bate-papos ao vivo que utilize o código dos chats do Twitch.

Quanto aos detentores dos direitos autorais: eles podem optar por dar início a um processo, como a terceira maior empresa de internet da Rússia (Rambler Group) fez contra o Twitch em dezembro por causa de uma transmissão da Premier League inglesa. O processo reivindicou US$ 2,8 bilhões (cerca de R$ 11,2 bilhões) em danos, e alegou que o Twitch facilitou 36 mil violações contra seus direitos aos jogos de futebol. "Fomos forçados a ir a tribunal contra a Twitch, com a exigência de interromper a disseminação de transmissões piratas", disse Mikhail Gershkovich, gerente de projetos da empresa, ao jornal russo Kommersant.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: