Mercado abrirá em 5 h 30 min
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    -0,05 (-0,07%)
     
  • OURO

    1.778,80
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    42.310,65
    -603,27 (-1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.052,01
    -11,84 (-1,11%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    7.054,11
    +73,13 (+1,05%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.085,75
    +61,75 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1771
    -0,0020 (-0,03%)
     

‘O IBGE ainda está na idade da pedra lascada’, diz Guedes ao ser questionado sobre a taxa de 14,6% de desemprego no país

·2 minuto de leitura

Após o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgar que a taxa de desemprego no país ficou em 14,6% no primeiro trimestre encerrado em maio — estável em relação à medição anterior, mas com avanço no número de trabalhadores na informalidade, que bateu 40% —, o ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou a instituição, dizendo que "ela está ainda na idade da pedra lascada".

Guedes, no entanto, comparou dados de pesquisas diferentes, que utilizam metodologias distintas. O Caged, apurado pelo Ministério da Economia, considera apenas trabalhadores com carteira assinada, com base em dados enviados pelas empresas. As divulgações consideram sempre um único mês, calculando o saldo entre novas contratações e demissões.

Já a Pnad, do IBGE, é mais abrangente, levantando informações sobre tipos de ocupação, tanto formais quanto informais, além dos trabalhadores por conta própria e funcionários públicos.

Ele baseou sua fala nos dados divulgados nesta quinta-feira pelo Caged, que apontam para uma geração de 1,5 milh]ao de vagas formais no país entre janeiro e junho deste ano.

— O Brasil está acelerando num ritmo acelerado. O Brasil está criando um milhão e meio de empregos neste ano. Vamos acelerar o ritmo de criação de empregos com o bônus de inclusão produtiva e o bônus que incentiva a qualificação profissional. Vamos criar mais 2 milhões de empregos. Estamos criando praticamente um milhão de empregos a cada 3 meses e meio — frisou Guedes. — Então, o IBGE está um pouquinho atrasado. Esta conta vai ter que convergir com o que está acontecendo.

O ministro não comentou o avanço da informalidade, tendo citado o crescimento da população como fator que pesa no cenário do emprego:

— Agora, naturalmente, população brasileira continua crescendo, então é possível que o desemprego esteja até caindo um pouco, marginalmente. Nós respeitamos acelerar esse ritmo de queda.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos