Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.849,53
    +1.297,09 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.536,80
    -132,45 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,64
    +0,61 (+1,52%)
     
  • OURO

    1.906,70
    -22,80 (-1,18%)
     
  • BTC-USD

    13.038,94
    +1.981,93 (+17,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,30
    +7,20 (+2,81%)
     
  • S&P500

    3.448,86
    +13,30 (+0,39%)
     
  • DOW JONES

    28.345,62
    +134,80 (+0,48%)
     
  • FTSE

    5.785,65
    +9,15 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -92,73 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.658,75
    -32,50 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6161
    -0,0339 (-0,51%)
     

Governo britânico não apresentará orçamentos neste outono devido à pandemia

·2 minutos de leitura
Sem orçamento
Sem orçamento

O governo britânico não vai apresentar seus orçamentos gerais conforme previsto devido às incertezas decorrentes da pandemia de coronavírus, informou uma fonte do Ministério das Finanças nesta quarta-feira(23). 

No entanto, o ministro das Finanças, Rishi Sunak, deve apresentar novas medidas de apoio à economia na Câmara dos Comuns na quinta-feira, disse a mesma fonte. 

A pressão está aumentando sobre Sunak, que desde o início da pandemia se tornou um dos rostos mais populares do Executivo de Boris Johnson, graças a suas medidas generosas para preservar os empregos durante a quarentena e reativar o consumo após o desconfinamento. 

Até agosto, o governo pagou até 80% dos salários, com o limite de 2.500 libras mensais por pessoa, de todos os funcionários que não foram demitidos apesar da paralisação da atividade econômica. Cerca de dez milhões de trabalhadores foram beneficiados. 

No entanto, este dispositivo foi reduzido progressivamente e deve terminar no final de outubro, para desgosto de muitos empregadores que afirmam que serão obrigados a demitir sua força de trabalho. 

Sunak surpreendeu ao anunciar que o governo pagaria a metade da conta dos clientes em restaurantes de segunda a quarta-feira durante o mês de agosto, com um limite de 10 libras por pessoa e refeição, para incentivar os britânicos a saírem de casa. 

Graças a medidas como essa, a economia britânica, que devido à pandemia sofre a pior recessão de sua história, começou recentemente a se recuperar. 

No entanto, o rápido aumento nas infecções por covid-19 levou o governo a impor novas restrições na terça-feira. 

Depois de chamar os britânicos a retornarem ao trabalho para impulsionar a economia dos centros urbanos, Johnson voltou a pedir que trabalhassem de casa. 

Todos os bares e restaurantes na Inglaterra devem fechar às 22h a partir de quinta-feira. Um anúncio que gerou novos apelos de apoio financeiro ao setor.

ar-acc/mar/jc