Mercado fechará em 5 h 59 min
  • BOVESPA

    128.222,06
    -1.042,90 (-0,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.025,07
    -290,62 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,68
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.774,60
    -8,30 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    29.215,13
    -3.957,99 (-11,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    692,61
    -101,72 (-12,81%)
     
  • S&P500

    4.219,27
    -5,52 (-0,13%)
     
  • DOW JONES

    33.757,68
    -119,29 (-0,35%)
     
  • FTSE

    7.082,81
    +20,52 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.130,00
    0,00 (0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9977
    +0,0224 (+0,37%)
     

O futuro da TV aberta passa pelo AVOD

·3 minuto de leitura

Em 2020, a televisão aberta no Brasil completou sete décadas de existência. Considerada durante muito tempo o principal meio de comunicação de massa do país, a TV tem passado por profundas transformações, sobretudo nos últimos anos, para se manter relevante em um cenário multi tela e digital. O avanço da internet transformou o consumo de mídia e a sua rápida expansão, tanto em vídeo quanto em áudio, impulsionou o surgimento de novos modelos de negócios e colocou em xeque a então supremacia da TV aberta.

A partir de 2011, o mundo foi apresentado aos serviços SVOD (Subscription Video on Demand ou Vídeo sob Demanda por Assinatura). Encabeçado pela Netflix, a nova modalidade afetou especialmente o faturamento das TVs por assinatura (até então a principal concorrente da TV aberta), dando início ao fenômeno “cord cutters" (ou cortadores de cabo), pessoas que cancelaram seus pacotes para assinar os serviços de streaming.

Em 2020, acompanhamos o boom desse tipo de serviço com grandes companhias como Disney e Paramount lançando suas próprias plataformas. A diversidade, contudo, gerou saturação. Afinal, nem todo mundo consegue pagar por um serviço de assinatura, especialmente em um contexto de pandemia. E é neste cenário que surgem os serviços AVOD (Advertising-Based Video on Demand), que distribuem conteúdo gratuito (sem a necessidade da assinatura de uma mensalidade) com inserções de publicidade.

O formato se sustenta de maneira semelhante ao modelo tradicional de faturamento da TV aberta, mas conta com uma importante e competitiva vantagem: a segmentação de público. Isso porque dispõem de ferramentas que conseguem avaliar o comportamento de seus consumidores a ponto de entender, com precisão quem é a pessoa que está do outro lado da tela e o que ela gosta de consumir, possibilitando a chamada addressable advertising, ou publicidade direcionada, um diferencial extremamente valioso, sobretudo do ponto de vista dos anunciantes.

O Spotify, por exemplo, já tem mais de 320 milhões de usuários ativos, sendo 144 milhões de contas premium, que são as assinaturas pagas, em todo o mundo. Isso significa que, aproximadamente, 55% dos usuários utilizam o modelo que faz um mix de conteúdo com publicidade. O perfil socioeconômico é a principal dificuldade para o acesso em massa a conteúdos premium.

O avanço desse conceito também depende da cobertura de banda larga no Brasil, que deve ocorrer com mais velocidade a partir da ocupação de frequências que eram utilizadas pelo rádio e TV analógica. De acordo com especialistas, os serviços AVOD devem crescer 17% no mundo nos próximos anos. Lançada em dezembro no Brasil, a Pluto TV (streaming com canais de TV, filmes e séries gratuitos) superou em 100 dias 67% da meta estabelecida para o ano, alcançando seis milhões de usuários ativos.

Segundo levantamento do Interactive Advertising Bureau (IAB), mais da metade dos investimentos de publicidade nos streamings e TVs conectadas em 2021 virá do orçamento previsto para a TV aberta. A expectativa da Pluto TV é garantir mais de 786 milhões de dólares em anúncios neste ano, somente nos EUA.

Para se manter viva em meio a este cenário, a TV aberta precisa se espelhar cada vez mais nesse tipo de modelo, entendendo que o formato broadcast tradicional (cabos, antenas e satélites) está com os dias contados.

Além disso, é preciso também estabelecer pontos de contato com o público de maneira individual, e não coletiva, e entender que o telespectador tem voz ativa e decide que tipo de TV ele quer consumir. A comunicação é, e será cada vez mais, direcionada. E quem não se atentar a isso se tornará totalmente obsoleto em um curto espaço de tempo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos