Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,72
    +0,44 (+0,67%)
     
  • OURO

    1.815,90
    -20,20 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    54.555,20
    -2.078,04 (-3,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.475,96
    -87,87 (-5,62%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    7.004,63
    +56,64 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    28.231,04
    +217,23 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    28.147,51
    -461,08 (-1,61%)
     
  • NASDAQ

    12.965,25
    -380,75 (-2,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4049
    +0,0595 (+0,94%)
     

"O futebol tem que mudar", diz Florentino Pérez, presidente da Superliga europeia

·2 minuto de leitura
Florentino Perez defende que o futebol precisa se adaptar aos novos tempos

O presidente do Real Madrid, Florentino Pérez, garantiu que o objetivo da Superliga europeia, promovida por doze dos clubes mais ricos do continente, é salvar o futebol.

"O futebol tem que continuar mudando e se adaptando aos tempos. O futebol perde o interesse. Algo tem que ser feito", declarou Pérez, que também preside a recém-criada Superliga, em entrevista ao programa El Chiringuito, do canal de televisão Mega.

"O futebol é o único esporte global. A televisão tem que mudar para se adaptar aos tempos. Temos que pensar por que os jovens de 16 a 24 anos não têm mais interesse pelo futebol", acrescentou o presidente.

"Existem muitos jogos de má qualidade e existem muitas outras plataformas para se entreter. O futebol tem de mudar", insistiu.

"Um grupo de clubes de alguns países europeus quer fazer algo para tornar este esporte mais atrativo em todo o mundo".

Pérez negou as críticas de quem garante que o projeto visa favorecer os mais poderosos: "Não é coisa para ricos. Fazemos isso para salvar o futebol, que se encontra em um momento crítico".

Nesta segunda-feira, um grupo formado por seis clubes ingleses (Manchester City, Manchester United, Chelsea, Tottenham, Liverpool e Arsenal), três espanhóis (Real Madrid, Barcelona e Atlético de Madrid) e três italianos (Milan, Juventus e Inter de Milão) anunciou a criação de uma Superliga com 20 equipes que começará "o mais rápido possível", sem especificar datas e com um modelo de competição comparável ao dos campeonatos norte-americanos de basquete profissional (NBA) e futebol americano (NFL) que geraria cerca de 3,5 bilhões de euros.

Este projecto se choca frontalmente com a Liga dos Campeões, o torneio de maior destaque da Uefa, e sua compatibilidade com os campeonatos nacionais também é difícil.

Pérez, no entanto, negou que se trate de um campeonato quase fechado e garantiu que o dinheiro recebido por estes clubes "vai para todos". "Esta é uma pirâmide. Se aqueles que estão acima têm dinheiro, ele é revertido para os que estão abaixo".

Sobre as ameaças da Uefa de excluir estas equipas das competições em curso, Pérez avisou: "A Uefa é um monopólio e também tem de ser transparente. A Uefa não tem uma boa imagem na sua história. Tem que ser uma entidade que dialoga e não que ameaça".

ta-iwd/mcd/aam