Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.213,57
    +623,52 (+1,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

O Facebook vai deixar de recomendar grupos políticos para seus usuários

·2 minuto de leitura
Facebook confirmou que fechará suas subsidiárias na Irlanda.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou nesta quarta-feira (27) que a plataforma deixará de recomendar grupos militantes ou políticos aos seus usuários, medida já tomada há alguns meses nos Estados Unidos para reduzir as tensões eleitorais. 

A rede social, que teve um papel importante na Primavera Árabe há dez anos, agora quer refazer sua imagem afastando-se das polêmicas e escândalos políticos que marcaram seu dia a dia desde a eleição de Donald Trump e Brexit em 2016. 

"Paramos de recomendar grupos militantes ou políticos nos Estados Unidos à medida que as eleições se aproximavam e agora pretendemos estender essa regra para todo o mundo", disse Mark Zuckerberg durante a apresentação dos resultados trimestrais da gigante das mídias sociais. 

O objetivo é "acalmar as coisas e desencorajar conversas divisivas".

Em um comunicado divulgado anteriormente, Zuckerberg disse que estava "animado" para projetar em 2021 "maneiras de criar oportunidades econômicas, construir comunidades e ajudar as pessoas a se divertirem". 

O grupo californiano alcançou quase 86 bilhões de dólares em vendas durante o ano e gerou mais de 29 bilhões de dólares em lucros, um aumento de 58% apesar da pandemia, do boicote de marcas no verão passado e tensões significativas com a sociedade civil, funcionários, eleitos e autoridades. 

O Facebook tem multiplicado suas medidas para melhorar a moderação de conteúdo e coibir a desinformação, mas ainda não conseguiu satisfazer muitas organizações antirracistas ou dedicadas à defesa dos direitos e liberdades em geral. 

"Em setembro, anunciamos a retirada de mais de um milhão de grupos em um ano", lembrou Zuckerberg.

"Mas também há muitos grupos para os quais não queremos encorajar as pessoas a se juntarem, mesmo que não violem nossas regras."

O fundador da rede social acrescentou que suas equipes também buscam formas de reduzir a visibilidade do conteúdo político no mural do usuário. 

“Claro, sempre será possível participar de discussões e grupos políticos, para quem quiser”, disse o bilionário. 

“Um dos principais comentários de nossa comunidade atualmente é que as pessoas não querem que a política e as discussões prevaleçam quando usam nossos serviços”, concluiu.

juj/lo/la/lda/rsr/tly/jc