Mercado abrirá em 7 h 28 min
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,78
    +0,80 (+1,00%)
     
  • OURO

    1.821,80
    +12,20 (+0,67%)
     
  • BTC-USD

    17.216,50
    +242,24 (+1,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    407,90
    +6,47 (+1,61%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    19.320,62
    +645,27 (+3,46%)
     
  • NIKKEI

    27.794,27
    +16,37 (+0,06%)
     
  • NASDAQ

    11.992,50
    -17,75 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5185
    +0,0245 (+0,45%)
     

O Estado americano onde voltou a valer lei de aborto do século 19

Fotografia colorida mostra um homem e uma mulher negros protestando com cartazes e diversas pessoas brancas protestando em segundo plano
Americanos protestam contra restrições ao direito ao aborto em Tucson, no Arizona

Uma lei criada no século 19 que determina a proibição quase total do aborto voltou a valer no Arizona, nos Estados Unidos.

Uma juíza estadual suspendeu uma liminar que impedia a aplicação da lei, que data de 1864. A regra permite aborto apenas para salvar a vida da mãe.

Isso foi possível porque, em junho deste ano, a Suprema Corte dos EUA revogou a decisão no caso conhecido como "Roe versus Wade", que determinava que havia um direito constitucional ao aborto em âmbito nacional.

A revogação não tornou o aborto automaticamente ilegal, mas deu aos Estados o poder de impor suas próprias proibições. Desde então, os Estados vêm decidindo se o procedimento é permitido em seu território e em quais situações.

A lei do Arizona é anterior até mesmo à fundação do Estado e inclui pena de dois a cinco anos de prisão para quem ajudar alguém a fazer um aborto. A lei havia sido bloqueada por uma decisão liminar em 1973, após a histórica decisão de "Roe versus Wade".

A revogação da decisão nacional, no entanto, permitiu que a liminar fosse derrubada, o que aconteceu na sexta-feira (23/09), por decisão da juíza Kellie Johnson, do Tribunal Superior do Condado de Pima.

A decisão foi condenada pela Casa Branca como "catastrófica, perigosa e inaceitável", com um porta-voz destacando a falta de permissão para aborto para mulheres que sofreram estupro, para gravidez decorrente de incesto e para mulheres com condições médicas não-letais.

A presidente da entidade de planejamento familiar Planned Parenthood no Arizona, Brittany Fonteno, disse que não consegue "nem explicar o quão cruel" é essa mudança.

"Nenhuma lei arcaica deveria ditar nossa liberdade reprodutiva", disse ela.

Mulheres protestam contra proibição com cartazes; duas mulheres brancas estão em primeiro plano
O Arizona é governado por republicanos

15 semanas

O Arizona, assim como vários outros Estados liderados por republicanos, aprovou uma legislação estadual proibindo o aborto após 15 semanas de gravidez.

A lei foi aprovada no início deste ano para que pudesse entrar em vigor imediatamente após a derrubada da decisão de Roe versus Wade.

A mudança no entendimento do Supremo americano já era esperada devido à mudança de composição do tribunal, que passou a ter maioria de membros mais conservadores.

Agora não está claro qual legislação vai ter precedência: se a proibição de 15 semanas ou a proibição quase total.

O governador do Arizona, Doug Ducey, disse que seria a proibição de 15 semanas, mas o procurador-geral republicano Mark Brnovich disse que deveria ser a proibição mais antiga.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-63024278

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!