Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.960,21
    +431,24 (+0,89%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,08
    -1,59 (-2,54%)
     
  • OURO

    1.794,80
    +16,40 (+0,92%)
     
  • BTC-USD

    55.044,50
    -1.372,48 (-2,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.270,32
    +7,36 (+0,58%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.902,25
    +108,00 (+0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7022
    -0,0003 (-0,00%)
     

O custo astronômico das espécies invasoras

·3 minuto de leitura
Mosquitos tigre-asiáticos pode transmitir doenças como chikungunya, dengue e zika

Espécies invasoras, como mosquitos, roedores e até gatos domésticos, custam caro para a humanidade: cerca de US$ 26,8 bilhões anuais - revela estudo publicado nesta quarta-feira (31),que adverte que esse montante continuará aumentando.

Essas espécies "exóticas" que o homem tirou, voluntariamente ou não, de seus ecossistemas originais criam problemas em seus novos hábitats e enfrentá-los custou pelo menos US$ 1,28 trilhão desde 1970, de acordo com este relatório publicado na revista Nature, o qual analisou milhares de dados incluídos na base pública InvaCost.

Plantas, insetos, aves, peixes, moluscos, microrganismos, mamíferos... O homem enfrenta essas espécies invasoras, lutando contra sua proliferação, mas, sobretudo, contra os danos que causam nas superfícies terrestre e marítima.

Essas degradações afetam todos os ecossistemas: dos bosques americanos atacados pelo longicórnio asiático até a agricultura australiana, pressionada pelo coelho. Sem esquecer as infraestruturas ameaçadas por cupins, os dutos obstruídos pelo mexilhão-zebra e até a desvalorização imobiliária no Havaí devido ao sapo coqui, cujo canto pode chegar a 100 decibéis.

Segundo os dados da InvaCost, incompletos, entre as espécies que dão mais prejuízo estão os ratos, o lagarto peludo, - um lepidóptero nativo da Ásia que ataca árvores em todo hemisfério norte -, as formigas de fogo e, sobretudo, todos os mosquitos, devido ao tratamento médico exigido pelas doenças transmitidas por estes insetos.

O mosquito tigre originário do Sudeste Asiático, por exemplo, é uma das piores espécies invasoras do mundo, tendo se espalhado principalmente pela Europa, levando chikungunya, dengue e zika.

Além do custo "fenomenal", "é preocupante seu crescimento constante, com uma média anual que dobra a cada seis anos e triplica a cada década", afirma o principal autor do estudo, Christophe Diagne, do laboratório francês Ecologie, Systématique et Evolution.

- Aumento exponencial -

Esta alta que se deve, em parte, a "um aumento exponencial de espécies invasoras", explica o diretor do laboratório, Franck Courchamp.

As espécies exóticas invasoras estão entre as cinco principais causas de destruição da natureza, conforme relatório de 2019 dos especialistas da ONU em biodiversidade (IPBES), o que indica um aumento de 70% em seu número desde 1970 nos 21 países examinados.

"O comércio internacional fará que cada vez mais espécies sejam introduzidas, e a mudança climática estas espécies se estabelecerem cada vez mais" nos territórios, acrescenta Courchamp.

Os autores do estudo defendem medidas preventivas para limitar seus danos e custos. Entre elas, está a detecção precoce.

Enquanto isso, pedem que se complete a base de dados InvaCost, com as invasões mais recentes, como a lagarta-do-cartucho, do continente americano, que arrasou plantações africanas antes de se instalar na Ásia e na Austrália.

"É provável que essa espécie seja mais custosa do que as dez que classificamos", completa Courchamp.

Entre as já citadas, aparece o gato doméstico, que "acompanhou os navegadores, quando exploravam o planeta".

Embora se trate de um caso "particular", o gato não deixa de ser um "invasor em quase todas as ilhas do mundo", segundo Courchamp, que o descreve como um temível predador de aves e répteis.

abd/app/mb/tt