Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    57.006,39
    -5.145,02 (-8,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

O cavalo entende melhor quando se fala como um bebê

·1 minuto de leitura
O criador e treinador líbio de cavalos árabes de raça pura, Abdul Salam al-Worfali, treina seu garanhão árabe Al-Hamdaniya em seu estábulo na cidade de Benghazi, no leste da Líbia, em 22 de março de 2021

É benéfico falar com um cavalo da mesma forma que se fala com um bebê, diz um estudo apresentado nesta segunda-feira (22) na França.

“Os cavalos ficam mais atentos e parecem entender melhor as nossas intenções” quando o tom usado é “mais alto” e com “entonações exageradas”, diz o estudo desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisa em Agricultura, Alimentação e Meio ambiente (Inrae) e o Instituto Equestre Francês (IFCE).

“Cavaleiros e criadores devem integrar esse método no relacionamento com os cavalos para facilitar a interação diária e melhorar o bem-estar dos animais”, diz Inrae.

O estudo completo foi publicado pela revista científica Animal Cognition.

Para avaliar melhor o impacto dessa linguagem, os etologistas desenvolveram duas séries de testes com vinte cavalos que ainda não haviam sido expostos à "conversa de bebê".

“Os cavalos respondem mais favoravelmente, ficam mais calmos, olham mais para o experimentador e respondem aos gestos”, destaca o INRAE.

No segundo teste, os cientistas estabeleceram que as instruções para a obtenção de alimento eram melhor seguidas pelos cavalos se fossem comunicadas a eles em tom infantil.

As equipes do Inrae já haviam mostrado em outro estudo que equinos são capazes de reconhecer expressões em um rosto humano. Portanto, os cavalos ficam mais nervosos diante de uma expressão de raiva e mais calmos diante de uma expressão de alegria.

mam/gvy/it/cls/age/mb/ap