Mercado abrirá em 5 h 20 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,85
    +0,67 (+1,11%)
     
  • OURO

    1.745,20
    -2,40 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    64.471,79
    +3.646,41 (+5,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.393,70
    +99,71 (+7,71%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.893,73
    +3,24 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    28.864,10
    +366,85 (+1,29%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    +82,29 (+0,28%)
     
  • NASDAQ

    13.981,75
    +6,00 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8422
    +0,0110 (+0,16%)
     

O céu (não) é o limite | Ingenuity pronto para voar, selfie do Curiosity e mais!

Patrícia Gnipper
·6 minuto de leitura

Sábado à noite em tempos de pandemia não significa mais dar uma saidinha com os amigos para curtir o final de semana. Nesses novos tempos, significa ficar em casa se divertindo pela internet mesmo, mas também pode significar aproveitar o tempo livre para se inteirar com o que rolou de importante no noticiário científico da semana, certo?

Por isso, aqui está mais um "resumão" que o Canaltech prepara toda semana, trazendo as principais notícias espaciais dos últimos sete dias. Vamos lá?

Ingenuity se prepara para voar pela primeira vez em Marte

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O helicóptero Ingenuity, que está em Marte ainda na "barriga" do rover Perseverance, já está fazendo seus preparativos finais para alçar voo pela primeira vez. Ele já de "desdobrou" da parte inferior do rover, ficando com as "pernas" suspensas só no aguardo de se soltar de vez.

A NASA havia escolhido 8 de abril para ser o grande dia, mas acabou adiando o momento para o dia 11 do mesmo mês. Até lá, o Perseverance vai levar o Ingenuity para sua base de voo, uma área de 10 m² de extensão cuidadosamente escolhida para ser o local mais seguro possível para o teste — ou seja, uma região plana e sem obstáculos. Tudo dando certo, esta será a primeira vez em que uma aeronave voa em outro planeta, abrindo novas possibilidades de se explorar outros mundos.

Clique aqui para saber mais e aqui para entender os motivos do adiamento.

Nova selfie do Curiosity em Marte

(Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/MSSS)
(Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/MSSS)

É tradição: de tempos em tempos, o rover Curiosity tira uma selfie em um local diferente na superfície marciana, mostrando não apenas toda a sua simpatia, como novos cenários marcianos. E agora ele nos presenteou com mais uma dessas fotos para lá de bacanas, desta vez em frente ao Mount Mercou.

A nova selfie foi produzida a partir de 60 imagens tiradas pela câmera que fica no braço robótico do rover. Depois, elas foram combinadas a outras 11, estas tiradas pela Mastcam, que fica na "cabeça" do Curiosity.

Saiba mais detalhes sobre a nova selfie do Curiosity, clique aqui.

Antiga formação fluvial nunca vista em Marte

Mapa indicando onde a água fluía e acumulava no fundo da cratera (Imagem: Reprodução/Brown University)
Mapa indicando onde a água fluía e acumulava no fundo da cratera (Imagem: Reprodução/Brown University)

Pesquisadores descobriram um novo tipo de marcas de atividade fluvial antiga no Planeta Vermelho, em uma cratera ainda sem nome, localizada nas altas terras do sul do planeta. As marcas no solo podem indicar o escoamento de água de uma geleira que deixou de existir há muito tempo por ali.

Através das imagens de alta resolução obtidas pela sonda Mars Reconnaissance Orbiter, da NASA, a equipe foi capaz de mapear com detalhes o sistema de lagos da cratera. O mapa revela as marcas características de leitos de rios antigos, chamadas de canais fluviais invertidos. Este tipo de formação ocorre quando a água flui por uma superfície rochosa e deixa para trás sedimentos granulares na área que sofre erosão. Este material, ao interagir com a água, pode formar minerais mais resistentes que as rochas vizinhas — formando então as cristas elevadas que se espalham pela paisagem.

Mais informações sobre isso você encontra aqui.

Sonda InSight detecta dois novos fortes tremores em Marte

Indicação do instrumento SEIS (Imagem: Reprodução/NASA)
Indicação do instrumento SEIS (Imagem: Reprodução/NASA)

Marte está com tudo no noticiário. Em mais uma notícia de destaque nesta semana, a sonda InSight detectou dois novos tremores no Planeta Vermelho — os chamados "martemotos", equivalentes aos terremotos de nosso planeta.

Os novos abalos registraram magnitudes de 3,3 e 3,11 e virem da região de Cerberus Fossae — que, aliás, é o mesmo lugar em que ocorreram tremores de magnitude 3,6 e 3,5, logo no início da missão. Até o momento, a missão já registrou mais de 500 tremores, mas como estes tiveram sinais mais claros, ficaram entre os quatro dos melhores registros já feitos.

Aqui você encontra mais detalhes sobre essa história.

Identificando emissões de raios X vindas de Urano pela primeira vez

Imagem formada pela luz óptica obtida pelo telescópio Keck, em branco e azul, e pelos raios X obtidos pelo observatório Chandra, em rosa (Imagem: Reprodução/ NASA/CXO/University College London/W. Dunn et al)
Imagem formada pela luz óptica obtida pelo telescópio Keck, em branco e azul, e pelos raios X obtidos pelo observatório Chandra, em rosa (Imagem: Reprodução/ NASA/CXO/University College London/W. Dunn et al)

Pela primeira vez, astrônomos identificaram raios X vindos de Urano. A emissão ainda misteriosa pode ter sido causada por processos diferentes dos que ocorrem em demais planetas.

Os pesquisadores utilizaram observações de Urano feitas pelo observatório Chandra em 2002, e outras realizadas em 2017. A primeira observação, mais antiga, tinha claros sinais de detecção de raios X, e é possível que novas emissões também tenham sido coletadas nas de 2017. Ainda não está claro o que estaria causando essas emissões, mas é possível que elas sejam causadas pela luz solar.

Ficou curioso? Clique aqui para saber mais.

Cometa interestelar 2I/Borisov pode ser o mais puro já visto

Em 2019, descobrimos um segundo visitante interestelar passando pelo Sistema Solar — ou seja, um objeto espacial cuja origem se deu em outro local da galáxia. Trata-se do cometa 2I/Borisov, que vem sendo alvo de muitos estudos para que possamos compreender ainda melhor esses objetos forasteiros que eventualmente nos visitam.

Agora, pesquisadores descobriram que este cometa é o mais "puro" já visto, pois ele nunca havia sido tocado pelos raios de uma estrela até passar próximo do nosso Sol. Apesar de ter sido formado em outro canto da galáxia, o cometa não é tão diferente daqueles que existem por aqui, no Sistema Solar — tanto é que demorou algum tempo para que sua natureza interestelar fosse descoberta. Contudo, uma característica que o torna único estava escondida entre os dados dos observatórios até agora: ele é muito primitivo e conserva suas características iniciais até hoje.

Quer saber como essa descoberta foi feita? É só clicar aqui.

Mais um protótipo do Starship explodiu em teste de voo

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Depois que o protótipo SN10 acabou explodindo minutos após pousar, a expectativa para o sucesso do SN11 era enorme. Contudo, o mais recente protótipo do foguete Starship, da SpaceX, acabou não correspondendo ao esperado, pois explodiu durante a tentativa de pouso. Esta foi a quarta vez que um protótipo do veículo espacial explode desde o início da série de testes, que começaram em dezembro do ano passado.

O S11 foi lançado em meio a uma densa névoa a atingiu altitude de 9,9 km em seu voo. Durante a descida, seus motores Raptor foram desligados para que o veículo entrasse em queda livre, poupando combustível para a queima de pouso (quando os motores são reativados para amortecer a queda) — e foi justamente nessa etapa que aconteceu a explosão.

Mais detalhes sobre o ocorrido você encontra aqui.

NASA troca informações com a China sobre missões ativas em Marte

Conceito artístico da Tianwen-1 na órbita de Marte (Imagem: Reprodução/Reprodução/CASC)
Conceito artístico da Tianwen-1 na órbita de Marte (Imagem: Reprodução/Reprodução/CASC)

Em um diálogo raro, EUA e China trocaram informações sobre as missões que hoje estão na órbita de Marte. A NASA e a CNSA (a agência espacial chinesa) tiveram a conversa com o objetivo de conhecer a órbita da espaçonave chinesa Tianwen-1 para evitar uma eventual colisão com os orbitadores estadunidenses.

Além da CNSA, a NASA também conversou com as agências espaciais de outras nações que mantém missões em Marte — Emirados Árabes Unidos, Índia e a Agência Espacial Europeia.

Mais sobre esse diálogo histórico você confere aqui.

Leia também:

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: