Mercado fechará em 3 h 46 min
  • BOVESPA

    108.232,87
    +1.308,69 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.068,49
    +488,59 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,66
    +2,17 (+1,96%)
     
  • OURO

    1.812,60
    +4,40 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    29.455,15
    -529,38 (-1,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    660,19
    +417,51 (+172,04%)
     
  • S&P500

    4.016,20
    -7,69 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    32.215,62
    +18,96 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.346,25
    -36,50 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2854
    +0,0263 (+0,50%)
     

O brasileiro que transformou Jurassic World em um voice game

·4 min de leitura

Os assistentes de voz vêm se popularizando a passos largos. De acordo com o relatório How We Will Pay, da PYMNTS e Visa, o mercado global de interfaces de voz deverá atingir US$ 40 bilhões até 2022. Neste contexto, o que não faltam são oportunidades para o desenvolvimento de skills, ou seja, plataformas de conteúdo ou interação dentro dos alto-falantes inteligentes.

A Alexa, plataforma de voz da Amazon, possui, inclusive, programas que fomentam e incentivam desenvolvedores a criar novas skills. Seja para pedir delivery, um jogo ou até mesmo um serviço de receitas. Nesta semana, uma nova skill está sendo anunciada pela empresa, é o Desafio Jurassic World, desenvolvido pela Universal Studios. O formato interativo, que também pode ser categorizada como um voice game, foi desenvolvido por um brasileiro.

O Desafio Jurassic World comemora os meses jurássicos que são celebrados em agosto e setembro e envolvem outras ações da Universal (Crédito: Reprodução)

João Paulo Alqueres já passou por várias empresas associadas à tecnologia de voz, no entanto, de acordo com ele, a paixão por esse universo vai muito além do trabalho e, no caso da franquia, um gosto especial. “Sou apaixonado pela série desde o primeiro filme de 1993. Facilita bastante ser fã, mas também é uma grande responsabilidade. Já trabalhei com jogos de voz para outras franquias como Mickey, Frozen e Star Wars. É importante entender que todas estas marcas têm regras rígidas do que se pode fazer no âmbito criativo e que nós estamos apenas pegando uma propriedade intelectual que já existe e levando ela para uma nova tecnologia”, conta João, que é proprietário da Iara Digital.

“De acordo com o relatório How We Will Pay, da PYMNTS e Visa, o mercado global interfaces de voz deverá atingir US$ 40 bilhões até 2022”

No jogo desenvolvido para a Universal, o foco são crianças de 4 a 8 anos e quem mais quiser se divertir, pontua. “Tivemos o cuidado na curadoria do conteúdo disponibilizado pela Universal, de separar questões que atendessem a todas as faixas etárias criando um jogo equilibrado e que pudesse divertir toda a família. Adicionamos também elementos bastante conhecidos como rugidos e informações adicionais sobre dinossauros em uma enciclopédia que é desbloqueada na medida em que o usuário avança no jogo”, destaca.

POR TRÁS DA VOZ

“As aplicações para assistentes são experiências conduzidas totalmente por voz através de conversas. É preciso pensar e modelar todas as formas de interação que uma pessoa pode ter com a aplicação em um ambiente no qual as possibilidades de interação são virtualmente infinitas. Desenvolver para Alexa é um exercício que envolve as disciplinas de linguística e inteligência artificial”, explica.

De acordo com João, a tecnologia de voz como conhecemos hoje está presente já há quase uma década e a Alexa, há pouco mais de sete anos. “O que deu espaço para o surgimento de diversas ferramentas que auxiliam no desenvolvimento de aplicações. A presença de perfis bem específicos de profissionais, porém, não deixa de ser vital para o sucesso de uma aplicação de voz. Os mais críticos são os que cuidam do desenho da aplicação (das conversas), chamados de Conversational Designers, os que olham para a experiência sonora (Sound Designers) e os desenvolvedores”, exemplifica.

João Paulo Alqueres já trabalhou com outras franquias como Star Wars e Disney na adaptação para o mundo dos assistentes de voz (Crédito: Divulgação)

João também foi premiado, há alguns dias, pela Amazon, por desenvolver skills originais. O único sul-americano na lista. “Esta foi uma skill desenvolvida exclusivamente para o Brasil em português para celebrar os meses jurássicos, agosto e setembro, e acompanha diversas outras ações da Universal dentro e fora de casa. Uma delas é um restaurante que será lançado em São Paulo com o tema Jurassic Park. As marcas têm buscado muito este posicionamento no espaço de voz e sabem que o momento de se colocar de forma diferenciada”, conclui.

Para quem se interessar, o jogo em questão tem 100 perguntas no total divididas em fases de desbloqueio. Tudo está relacionado à ilha Nublar e são eventos que se passam antes do último filme de 2018, o Jurassic World: Reino Ameaçado. Os aventureiros que aceitarem o desafio da Alexa serão conduzidos pela Ilha e visitarão locais icônicos como O Aviário, o Centro de Alimentação da Mosassauro e o Vale dos Galimímos.

O post O brasileiro que transformou Jurassic World em um voice game apareceu primeiro em Fast Company Brasil | O Futuro dos Negócios.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos