NY deve abrir em queda com temor sobre EUA e Grécia

Os índices futuros das bolsas de Nova York sinalizam uma abertura em território negativo, em meio à falta de progresso entre os legisladores norte-americanos sobre como evitar o abismo fiscal, uma série de cortes de gastos e aumentos de impostos automáticos que entrarão em vigor em 1º de janeiro, caso não haja acordo no Congresso. Os investidores também estão cautelosos com a reunião dos ministros das Finanças da zona do euro para tentar acabar com o impasse sobre o financiamento da Grécia e os resultados de eleições regionais na Espanha.

Às 12h15 (de Brasília), o índice futuro Dow Jones recuava 0,29%, S&P 500 tinha queda de 0,38% e Nasdaq avançava 0,12%. No câmbio, o euro era negociado em US$ 1,2967, de US$ 1,2976 na sexta-feira (23). O dólar estava em 82,13 ienes, de 82,42 ienes. O contrato do petróleo para janeiro caía 0,74%, para US$ 87,62 o barril, na Nymex.

A Casa Branca alertou em um relatório que seguir adiante com a questão do abismo fiscal poderá resultar em uma diminuição de 1,4 ponto porcentual no Produto Interno Bruto (PIB) real dos EUA e em uma redução dos gastos dos consumidores durante a temporada de compras de fim de ano. O relatório reitera o pedido do presidente Barack Obama para que o Congresso estenda imediatamente os alívios fiscais sobre rendas de até US$ 250 mil. Obama quer que os cortes de impostos sobre rendas acima disso, que os republicanos querem estender, sejam debatidos depois.

Na agenda de indicadores, estava previsto o relatório do Fed de Chicago sobre a atividade nacional. Segundo o banco, o indicador caiu para -0,56 em outubro, de 0,0 em setembro. Leituras abaixo de zero indicam que o desempenho econômico dos EUA está abaixo da média. Às 13h30 (de Brasília), o Fed de Dallas divulgará o índice de atividade das empresas em novembro.

Na Europa, as autoridades que participarão da reunião de ministros das Finanças da zona do euro mostraram otimismo de que um acordo sobre a liberação de uma parcela de ajuda para a Grécia será alcançado hoje, em Bruxelas, ao chegarem para uma reunião. A Grécia está aguardando uma aprovação da zona do euro e do Fundo Monetário Internacional (FMI) de um desembolso de cerca de 44 bilhões de euros (US$ 55,08 bilhões). O ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, disse que "nós estamos preparados para chegar a um acordo e acredito que seremos bem-sucedidos na tarde de hoje". Já o ministro das Finanças da Grécia, Yiannis Stournaras, afirmou: "Eu estou certo de que nós podemos encontrar uma solução mutuamente benéfica hoje".

Resultados preliminares das eleições realizadas na Catalunha no domingo mostraram que o grupo político do atual presidente da região autônoma, Artur Mas, perdeu espaço e que os partidos pró-separatismo aumentaram seu peso no Legislativo: conseguiram 87 das 135 vagas. O fortalecimento do movimento reforça a preocupação com a já combalida Espanha.

O jornal espanhol El País informou que o governo de Mariano Rajoy, após as eleições regionais, vai pedir à União Europeia (UE) uma ajuda entre 40 bilhões de euros e 42,5 bilhões de euros para salvar o sistema financeiro do país. Do pacote, a maior parte - cerca de 37 bilhões de euros - deve ir para apenas quatro bancos: Bankia, Novagalicia, Caixa Catalunha e Banco de Valência.

Entre os destaques corporativos, as ações do Amazon subiam 0,18% no pré-mercado em Nova York, enquanto as do eBay subiam 0,80%, com o início do Cyber Monday, o maior dia de compras online no país, que é realizada após o Feriado de Ação de Graças. As informações são da Dow Jones.

Carregando...