Mercado fechará em 6 h 7 min
  • BOVESPA

    123.421,89
    +1.620,68 (+1,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,31
    -0,12 (-0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,38
    +0,23 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.804,40
    -10,10 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    37.767,74
    -1.342,71 (-3,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    938,24
    -37,66 (-3,86%)
     
  • S&P500

    4.417,52
    +14,86 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    34.948,32
    +155,65 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.116,85
    -7,01 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.105,75
    +32,25 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0645
    -0,0538 (-0,88%)
     

NVIDIA: supercomputador quer ampliar entendimento sobre câncer e outras doenças

·3 minuto de leitura

Uma das maiores fabricantes de placas de vídeo do mercado lançou um dos computadores de inteligência artificial (IA) mais rápidos do mundo. O Cambridge-1 foi desenvolvido pela Nvidia para ajudar pesquisadores britânicos nas áreas de biologia digital, computação quântica e estudos genômicos.

O supercomputador mais potente do Reino Unido vai permitir que cientistas e especialistas em saúde usem algoritmos avançados e sistemas de simulação computacional para aprofundar estudos sobre doenças cerebrais, como demência, na criação de medicamentos mais eficazes e na identificação de distúrbios relacionados ao genoma humano.

"O Cambridge-1 ajudará pesquisadores a realizar projetos importantes, gerando mais informações sobre doenças e tratamentos em uma escala e velocidade inéditas no país. As descobertas feitas com o Cambridge-1 terão impacto mundial, promovendo pesquisas inovadoras que têm o potencial de melhorar a vida de milhões de pessoas", afirma o fundador e CEO da NVIDIA, Jensen Huang.

Supercomputador Cambridge-1 está entre os 50 mais potentes do mundo (Imagem: Reprodução/NVIDIA)
Supercomputador Cambridge-1 está entre os 50 mais potentes do mundo (Imagem: Reprodução/NVIDIA)

Cambridge-1

O computador criado pela NVIDIA é o sonho de consumo de muitos gamers acostumados a lidar com “monstros” da tecnologia. Ele possui 80 sistemas DGX A100, GPUs NVIDIA A100, DPUs BlueField-2 e redes NVIDIA InfiniBand HDR. Essa somatória potente oferece mais de 400 petaflops de desempenho de IA e 8 petaflops no Linpack — será que aumenta o FPS?

O supercomputador é primeiro da NVIDIA dedicado a pesquisas de setores específicos no Reino Unido e que utiliza fontes de energia 100% renováveis. A empresa também pretende construir um centro de excelência de IA em Cambridge equipado com uma máquina ainda mais poderosa, baseada na arquitetura ARM, para o desenvolvimento de superprocessadores.

Parcerias

A AstraZeneca, fabricante britânica de medicamentos e que também produz a vacina de Oxford contra a COVID-19, pretende usar o Cambridge-1 para desenvolver um modelo de IA baseado em arquiteturas de redes neurais, que permite o uso de grandes conjuntos de dados com métodos autossupervisionados de treinamento. Esse sistema é usado para prever reações, otimizar e gerar novas moléculas durante o processo de descoberta de medicamentos mais modernos.

Data center Cambridge-1 (Imagem: Reprodução/NVIDIA)
Data center Cambridge-1 (Imagem: Reprodução/NVIDIA)

"Graças à colaboração com a NVIDIA no Cambridge-1 podemos ampliar nosso trabalho atual e desenvolver novas metodologias que promovam o uso da inteligência artificial na patologia digital", diz o vice-presidente de ciência de dados e IA, departamento de doenças respiratórias e imunologia da AstraZeneca, Lindsay Edwards.

Já a King's College London e a Guy's and St Thomas's NHS Foundation Trust usam o Cambridge-1 para ensinar modelos de IA a gerar imagens cerebrais sintéticas baseadas em milhares de dados de ressonância magnética de várias doenças. O objetivo é usar essas informações para entender melhor os mecanismos de doenças e condições como demência, acidente vascular cerebral, câncer cerebral e esclerose múltipla, agilizando o diagnóstico e o tratamento.

“O poder da inteligência artificial na área da saúde ajudará a acelerar o diagnóstico dos pacientes, melhorar serviços como a detecção precoce do câncer de mama e aprimorar a forma como avaliamos os riscos e priorizamos os pacientes conforme a necessidade clínica de cada um”, completa o diretor-executivo da Guy's and St Thomas' NHS Foundation Trust, Ian Abbs.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos