Mercado fechado

Nvidia e Google estariam preocupadas com compra da Activision pela Microsoft

Google e Nvidia teriam engrossado o coro da Sony em oposição à compra da Activision Blizzard pela Microsoft. Em documentos que teriam sido enviados à Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês), as duas empresas demonstram preocupações quando à criação de um monopólio nos serviços de games na nuvem, assinaturas e títulos mobile, com a dona do Xbox podendo ter uma vantagem ilegal sobre as concorrentes nestes setores.

Além das questões relacionadas a uma exclusividade de jogos como Call of Duty, peça central de contestação por parte da Sony, também estariam sendo levantadas preocupações quanto à desenvolvedora de jogos mobile King e ao serviço Xbox Game Pass, que entre outros recursos, oferece a jogatina na nuvem. A ideia é que as falas de Google e Nvidia tenham se concentrado especificamente sobre estas plataformas, enquanto os detalhes das declarações, em si, não foram revelados.

De acordo com as informações que foram abertas pelas fontes ouvidas pelo Bloomberg, porém, a Nvidia não teria se oposto à aquisição, mas teria expressado a necessidade de salvaguardas que garantam o acesso igualitário a títulos que se tornariam exclusivos e outros recursos para garantir a continuidade de seus negócios e plataformas. Isso valeria tanto para seu serviço de jogos na nuvem, o GeForce Now, quanto para a liberação de drivers focados em jogos de renome para as placas de vídeo da marca, entre outros exemplos de implementação.

As declarações teriam sido adicionadas ao processo que está em andamento na agência regulatória americana desde dezembro do ano passado. Como todo o trâmite corre em sigilo, a participação de Nvidia e Google não foi confirmada oficialmente por nenhuma das duas; caso elas realmente tenham decidido participar do processo, devem ser convidadas a depor antes de um julgamento inicialmente marcado para agosto.

A adição de novos nomes de peso ao processo, iniciado pela FTC com o intuito de bloquear a aquisição da Activision Blizzard pela Microsoft, deve soar como uma má notícia para a gigante. Diversas vezes, a companhia disse estar aberta a conversar com o mercado e chegar a alternativas que resolvam os problemas levantados, alegando trabalhar para ampliar o acesso a games, em vez de restringir o mercado. Certas questões, como o lançamento de jogos da desenvolvedora no Xbox Game Pass assim que chegarem às lojas, porém são pontos dos quais ela não abre mão.

Não é a primeira vez, ainda, que o nome do Google aparece envolvido na questão. Em novembro, informações da imprensa americana davam conta que a empresa estava preocupada com a performance do serviço de cloud gaming do Xbox Game Pass, que teria qualidade reduzida quando rodando no navegador Chrome, em relação ao browser proprietário Edge. Não se sabe, porém, se tais argumentos agora aparecem oficialmente em documentos submetidos à FTC.

Anunciada em janeiro do ano passado, a compra da Activision Blizzard pela Microsoft foi um negócio de US$ 68,7 bilhões que tornaria a companhia a terceira maior do setor de games, além de representar a maior aquisição já feita no setor. As autoridades brasileiras já aprovaram o movimento, enquanto nos EUA, essa deverá seguir sendo uma incerteza por mais algum tempo; pelo menos, até que o processo do órgão regulador de comunicações seja julgado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: