Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.238,43
    -482,86 (-1,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Nvidia CMP 170HX surge com potencial de mineração 40% maior que a RTX 3090

·3 minuto de leitura

Visando reduzir o impacto da criptomineração nos estoques de GPUs gamer já limitados pela escassez global, a Nvidia oficializou a família CMP. Dedicada a mineradores, a linha tira proveito de chips defeituosos de placas GeForce que não chegariam aos consumidores, aumentando assim o aproveitamento na linha de produção e reduzindo a demanda pelas soluções para games.

Ainda assim, relatórios financeiros recentes indicam que a medida não teve o sucesso esperado, com o número de vendas da série CMP estando abaixo das projeções. Especula-se que um dos motivos para a baixa adoção seja o baixo valor de revenda, já que o hardware é especializado em mineração e não conta com portas de vídeo, além de desempenho pouco elevado frente às variantes gamer.

Apesar disso, a Nvidia deve seguir investindo nessa linha e, agora, estaria prestes a trazer ao mercado a CMP 170HX. A novidade assumiria o posto de GPU mais poderosa para criptomineração, entregando hash rate cerca de 40% maior que a RTX 3090, e o dobro do que a CMP 90HX, atual topo de linha da família, consegue apresentar.

CMP 170HX entrega até 164 MH/s em criptomineração

Informações da nova GPU foram divulgadas pelo usuário Codefordl na plataforma chinesa Zhihu, e mostram que a placa parece ser uma versão retrabalhada da A100, placa mais poderosa para computação da Nvidia e primeira a empregar a microarquitetura Ampere. A CMP 170HX marcaria ainda a primeira variante fabricada pela própria Nvidia — todas as outras placas da linha são desenvolvidas por parceiras.

Assim como a A100, a 170HX é equipada com o chip GA100, mas com configuração bastante reduzida de apenas 4.480 núcleos CUDA, o equivalente a 54% da capacidade total da GPU. Em comparação, a A100 traz 6.912 núcleos CUDA, ou 84% da capacidade total. A memória também sofreu reduções drásticas: há apenas 8 GB de RAM HBM2e, contra 80 GB no modelo dedicado à computação, ainda que a largura de banda de 1,5 TB/s tenha sido preservada.

Outras modificações pensadas para evitar que pesquisadores e gamers tirassem proveito da 170HX, considerando a diferença drástica de preço (cerca de US$ 8.000 mais barata que a A100), incluem os clocks, que vão de 1.140 MHz base a 1.410 MHz boost, e o barramento PCI-E, que chega na versão 1.1 e conta com apenas 4 lanes.

Testes do usuário Codefordl mostraram que a CMP 170HX atinge os 164 MH/s (Imagem: Codefordl)
Testes do usuário Codefordl mostraram que a CMP 170HX atinge os 164 MH/s (Imagem: Codefordl)

Os testes revelam que a solução consegue atingir os 164 MH/s (megahashes por segundo, a capacidade de uma GPU de realizar cálculos para mineração) com consumo de 250 W utilizando o algoritmo Ethash, mesmo número indicado pela Nvidia na lista de especificações vazadas da placa.

Codefordl indica ainda que a placa não tem suporte a overclocking, ao menos na versão atual de BIOS, e que não se aproxima dos 200 MH/s, tarefa que deve ser delegada a outra variante.

CMP 220HX também pode estar a caminho

Rumores mais antigos apontavam que a Nvidia traria ainda ao mercado a CMP 220HX, cuja existência acaba de ganhar força com a CMP 170HX praticamente confirmada. A novidade também seria baseada na A100, desta vez compartilhando os mesmos 6.912 núcleos CUDA, com 84% do chip GA100 habilitado.

A CMP 220HX seria uma versão da A100 otimizada para criptomineração, com capacidade de atingir os 210 MH/s (Imagem: Divulgação/Nvidia)
A CMP 220HX seria uma versão da A100 otimizada para criptomineração, com capacidade de atingir os 210 MH/s (Imagem: Divulgação/Nvidia)

As mudanças seriam suficientes para colocar a 220HX no topo entre as placas de criptomineração, com cerca de 210 MH/s, trazendo preço próximo aos US$ 3.000. Dessa maneira, as barreiras de barramento PCI-E limitado e clocks mais baixos estariam presentes, para impedir que usuários que necessitem de poder de computação avançado deixem de adquirir a A100.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos