Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.038,58
    +230,02 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,47
    +1,76 (+2,29%)
     
  • OURO

    1.635,80
    +2,40 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    19.042,89
    -120,14 (-0,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    437,35
    -21,79 (-4,75%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.349,00
    +32,75 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1596
    -0,0198 (-0,38%)
     

Nuseed e GranBio firmam acordo para acelerar projetos de cana-energia

SÃO PAULO (Reuters) - A Nuseed, do grupo australiano de tecnologias agrícolas e de sementes Nufarm, adquiriu ativos comerciais e de melhoramento de cana-energia da brasileira GranBio, em acordo que inclui uma parceria em pesquisa e desenvolvimento (P&D).

O negócio, cujo valor não foi divulgado, prevê também que GranBio e a Nuseed possam acelerar o desenvolvimento para adoção, em larga escala, da cana-energia no Brasil, além de expandir comercialmente o produto para outros mercados mundiais.

"Temos uma presença global... E pretendemos levar a cana-energia para outros países em desenvolvimento e também mercados já estabelecidos (para cana), como EUA, Austrália e diferentes partes da Ásia", afirmou Brent Zacharias, executivo do Nuseed Group, em teleconferência com a imprensa.

A parceria mira o desenvolvimento de variedade de cana mais produtiva, que deverá ser matéria-prima para futuras biorrefinarias produtoras de combustíveis avançados de aviação (SAF, na sigla em inglês) e do etanol de segunda geração (2G).

Criada por meio de melhoramento genético, a cana-energia é uma variedade que pode ser cultivada em solos degradados, trazendo benefícios a áreas hoje subutilizadas, além de gerar maiores volumes de etanol e bioeletricidade por hectare.

Segundo a GranBio, o acordo não inclui ativos industriais, como a unidade produtora de etanol em São Miguel dos Campos (AL), mas apenas ativos biológicos.

A GranBio continuará investindo no desenvolvimento de cana-energia por meio da Nuseed e será a licenciadora exclusiva da cana-energia como matéria-prima para aplicações "2G", bioquímicos, SAF e materiais renováveis ​​em todo o mundo.

"É um principio de parceria em que a Nuseed vai fazer da cana-energia uma matéria-prima ainda mais competitiva, mas com alcance global, e esperamos que com saltos de desempenho ainda maiores", disse o CEO e fundador da GranBio, Bernardo Gradin, em teleconferência.

Ele destacou a intenção de ambas se posicionarem como empresas de impacto na transição energética.

O executivo avaliou ainda que o atual estresse nos mercados de combustíveis fósseis, com efeito sobre o etanol, apresenta uma "oportunidade" para a expansão da cana-energia.

"Em período de dificuldades financeiras... a produtividade de se ter uma cana que não precisa ser renovada a cada quatro ou cinco anos terá um papel importante. E diante do estresse climático, a cana-energia também se apresenta como uma melhor solução".

PLANTA DE SAF

A GranBio começou a plantar cana-energia utilizando a tecnologia da Nuseed para suprir, no futuro, sua planta de etanol 2G em Alagoas, que hoje utiliza resíduos da cana como biomassa.

Além disso, a empresa também demonstrou recentemente sua tecnologia de SAF em um projeto piloto e agora pretende escalar a tecnologia "em três anos", disse Gradin.

"Esperamos ter nossa primeira planta de SAF em escala comercial entre o fim de 2027 e começo de 2028", afirmou o executivo, apontando que "há boas chances" de que a unidade seja no Estados Unidos.

(Por Letícia Fucuchima)