Mercado abrirá em 1 h 34 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,84
    +1,09 (+1,82%)
     
  • OURO

    1.722,90
    -10,70 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    51.752,90
    +2.774,24 (+5,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.033,37
    +45,27 (+4,58%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.674,41
    +60,66 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.143,00
    +87,75 (+0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8560
    -0,0061 (-0,09%)
     

Número dois da Saúde defende "tratamento precoce" ineficaz contra coronavírus

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
Secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, disse ser "irresponsável" dar data de início da vacinação. (Foto: Reprodução/YouTube)

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, coronel Élcio Franco, defende em suas redes sociais o “tratamento precoce”, ineficaz contra o novo coronavírus, na mesma semana em que o ministro Eduardo Pazuello negou que a pasta tenha indicado o uso de medicamentos sem comprovação científica para o combate à Covid-19.

“Diagnóstico e tratamento precoce mitigam os riscos e os efeitos da Covid-19”, disse o secretário na madrugada de terça-feira (19), no Facebook, compartilhando uma publicação de julho de 2020 da AMB (Associação Médica Brasileira) em defesa da autonomia do médico para a prescrição da hidroxicloroquina.

Leia também

A postagem mais recente da entidade, porém, reprova o uso de qualquer fármaco sem eficácia cientificamente comprovada contra o coronavírus.

Na mesma madrugada, o número dois da Saúde compartilhou a mesma frase, desta vez com uma imagem de divulgação do ministério recomendando ao paciente solicitar “atendimento precoce” para tratar a Covid-19.

O Ministério Saúde lançou em 14 de janeiro o aplicativo TrateCOV, direcionado a profissionais de saúde para “aprimorar e agilizar os diagnósticos da Covid-19” e ajudar “o atendimento e resposta adequados para o paciente de acordo com cada caso”.

Em contrapartida, o aplicativo prescreve cloroquina, sua derivada hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina (medicamentos que não têm comprovação científica de eficácia para combater o coronavírius) até para pessoas com sintomas de ressaca, como uma leve dor de cabeça.

Na tarde de quinta, porém, o aplicativo saiu do ar. Procurado pelo Yahoo! Notícias, o Ministério da Saúde disse que a plataforma foi “lançada como um projeto-piloto” e que ainda não “estava funcionando oficialmente, apenas como um simulador”. Além disso, o órgão atribuiu a ativação do programa a uma “invasão”, afirmando que a retirada do ar será momentânea.

“O sistema foi invadido e ativado indevidamente – o que provocou a retirada do ar, que será momentânea”, afirmou. A pasta, porém, não apresentou provas e não deu detalhes sobre o que seria a “invasão”.

No entanto, programadores analisaram como o formulário funciona e descobriram que, ao invés de facilitar o diagnóstico da doença, o aplicativo receita o coquetel do suposto "tratamento precoce" para quase qualquer caso.