Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.185,61
    -4.779,71 (-8,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Número de empregos formais criados em 2020 é metade do divulgado

·2 min de leitura
Homem segurando carteira de trabalho
Das 142.690 vagas anunciadas em janeiro, o saldo foi de 75.883

(Getty Images)

  • Número de empregos formais criados em 2020 é 46% menor do que o divulgado

  • Mudança foi informada pelo Ministério do Trabalho após revisão dos dados

  • Diferença acontece devido ao prazo que as empresas têm para entregar informações sobre funcionários contratados e demitidos

O número de empregos com carteira assinada criados no ano passado é quase a metade do divulgado pelo governo. Das 142.690 vagas anunciadas em janeiro, o saldo foi de 75.883, totalizando 46% a menos.

É o que mostram os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). A revisão foi realizada pelo Ministério do Trabalho e da Previdência, recriado em julho, que explicou em nota que a diferença acontece devido ao prazo que as empresas têm para enviar informações.

Leia também:

Todos os meses, as companhias precisam declarar ao Ministério o número de funcionários contratados e demitidos. Porém, existe um tempo máximo de 12 meses, a contar com a data de demissão ou contratação, para o envio desses dados. Na prática, isso significa que se um trabalhador passa a integrar o quadro de funcionários em novembro de 2020, a empresa tem até novembro de 2021 para entregar essa informação.

De acordo com as atualizações, o número de demissões em 2020 foi 2,2% maior do que se acreditava, o que fez o número saltar de 15,02 milhões de pessoas para 15,36 milhões. Já as contratações subiram 1,8%, passando de 15,16 milhões para 15,43 milhões. Ainda assim, o resultado positivo não é suficiente para compensar o saldo negativo.

"Ressaltamos que, mesmo com a mencionada revisão, o saldo do Caged de 2020 se mantém positivo, em que pese o pior momento da pandemia da Covid 19. Este ano, o Brasil já registra saldo de mais de 2,5 milhões de empregos formais", afirmou o Ministério do Trabalho e da Previdência.

As informações foram atualizadas com os dados obtidos em setembro deste ano. O número ainda pode mudar conforme o restante das informações referentes ao ano de 2020 forem entregues.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos