Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.620,43
    -157,23 (-0,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Nubank terá que indenizar cliente por transferências após roubo de celular

O Nubank deverá indenizar uma cliente que perdeu R$ 6,6 mil em transferências irregulares via Pix, após ter o celular e a carteira furtados. Na decisão emitida em junho, o Tribunal de Justiça de São Paulo ordena o banco digital a não apenas ressarcir os valores levados pelos criminosos, como também ao pagamento de R$ 4 mil pelos danos morais à vítima.

A cliente afirmou só ter percebido o problema quando chegou em casa, momento em que contatou a fintech para realizar o bloqueio de cartões e aplicativos. Duas transferências foram realizadas pelos criminosos, com um total de R$ 6.690 em perdas financeiras a partir da conta conrrente dela.

De acordo com o juiz Paulo Baccarat Filho, da 3ª Vara Cível do TJSP, a instituição falhou na vigilância relacionada ao uso dos serviços, motivando tanto na perda dos valores quanto em “percalços que perturbaram a paz e a normalidade” da cliente furtada. Ele também contrapôs a fala do Nubank, que alegou na ação não ter responsabilidade sobre o ato uma vez que as transferências foram realizadas com a senha da cliente.

Em sua argumentação, o juiz afirma que não existiu conhecimento expresso ou tácito da cliente furtada em relação à transferência dos valores, enquanto o Nubank tem acesso em tempo real a todas as transações. Além disso, o magistrado afirmou que a fintech não foi capaz de demonstrar que a senha usada para a realização dos dois envios via Pix não poderia ter sido interceptada ou descoberta de outra maneira.

Em comunicado enviado ao Canaltech, o Nubank afirmou que não comenta casos específicos para preservar o sigilo bancário de seus clientes, mas se colocou à disposição dos clientes por meio de canais de atendimento. O banco também não confirmou se pretende recorrer da decisão emitida pelo TJSP.

O Nubank informa que, para preservar o sigilo bancário, não comenta casos específicos. A empresa coloca-se à disposição para, em caso de qualquer dúvida adicional, auxiliar seus clientes e solicitantes por meio de nossa equipe de atendimento via chat, e-mail, telefone ou redes sociais, 24 horas por dia e em qualquer dia da semana.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos