Mercado fechado

Nubank diz que "errou" e se compromete com diversidade racial após comentários de fundadora

Por Carolina Mandl
·1 minuto de leitura
.
.

Por Carolina Mandl

SÃO PAULO (Reuters) - O Nubank lançou uma iniciativa para aumentar a presença de negros na liderança da empresa com o objetivo de atenuar as críticas feitas em redes sociais a comentários feitos por uma de suas fundadoras.

Em uma carta intitulada "O Nubank errou" divulgada no domingo, a fintech disse que a diversidade é um valor fundamental e prometeu definir metas até novembro para aumentar a inclusão racial.

Questionada em entrevista na semana passada se as exigências para trabalhar no Nubank não estavam limitando a inclusão de negros em sua liderança, a cofundadora Cristina Junqueira fez um comentário polêmico, dizendo que a fintech não poderia "nivelar por baixo".

"Não adianta a gente colocar para dentro alguém que não vai ter condições de trabalhar com as equipes que a gente tem, se desenvolver, de avançar na sua carreira, depois não vai ser bem avaliado e aí a gente não está resolvendo o problema, a gente está criando outro."

Os comentários desencadearam uma avalanche de críticas em redes sociais por parte de clientes do Nubank, que se disseram decepcionados e que vão cancelar suas contas e cartões de crédito emitidos pela empresa.

O Nubank, que tem como investidores TCV, Tencent Holdings, DST Global, Sequoia Capital, Dragoneer, Ribbit Capital, Kaszek e Thrive Capital, tem 30 milhões de clientes. Fundado no Brasil, o banco já se expandiu para o México e a Colômbia.

O Nubank alcançou o posto de fintech mais proeminente do Brasil oferecendo cartões de crédito gratuitos e levantando a bandeira da inclusão financeira.