Mercado fechado

Novos vazamentos revelam lançamento de remake de Resident Evil 4 e mais jogos

Felipe Demartini
·3 minuto de leitura

O ataque aos servidores da Capcom no início deste mês de novembro continua resultando em vazamentos de títulos, datas de lançamento e documentos confidenciais. Nesta quinta-feira (19), foi publicada na internet uma planilha com estimativas de lançamentos e vendas de jogos para os próximos três anos, trazendo consigo, também, diversos títulos que ainda não foram anunciados pela companhia.

Os vazamentos estão divididos por ano fiscal e datam a partir de 2019. Jogos já revelados ou vazados, como Monster Hunter Stories ou o multiplayer Shield, por exemplo, aparecem com previsão de chegada até março de 2021, ao lado de uma nova propriedade intelectual chamada Regolith (que muitos acreditam ser Pragmata, anunciado durante um evento da Sony em junho) e Resident Evil Outbreak.

O retorno do clássico game online da série de horror pode vir como uma boa notícia para os fãs, atendendo a pedidos de anos, mas a ausência de Resident Evil Village, já anunciado e com chegada supostamente marcada para o início de 2021, chama a atenção. Por se tratar de uma planilha teoricamente antiga, é possível que o Outbreak citado seja, na realidade, o oitavo game da série, ou tenha sido substituído por ele.

Até março de 2022, chegaria o já revelado Street Fighter 6, assim como o vazado Resident Evil 4 Remake. A nova versão de um dos jogos mais importantes de todos os tempos vazou no início do ano e estaria sendo desenvolvida pela M-Two, equipe que também trabalhou na reimaginação do terceiro game da série, lançada no início deste ano. Um novo Onimusha, série clássica de samurais da era PlayStation 2, e um título inédito de Megaman, chamado de Rockman Match, também estariam nos planos.

Mais um Resident Evil aparece na lista de jogos a serem lançados até março de 2023, com o subtítulo Apocalypse. Aqui, nas estimativas, também surge o primeiro dos já tradicionais relançamentos da franquia, com Super Street Fighter 6, além do retorno de dois clássicos da briga de rua, Captain Commando e Final Fight. Nenhum destes títulos foi comentado oficialmente até agora.

Por fim, 2024 chega com mais um retorno, o de Power Stone, além de uma nova edição do game de luta, Ultra Street Fighter 6, dando a entender que a Capcom planeja, para o game, o mesmo sistema de temporadas de conteúdo que vem utilizando para o quinto título da franquia. Além disso, claro, mais um Resident Evil, com o subtítulo HUNK, menção ao misterioso personagem que faz parte da história do segundo jogo da franquia e é um favorito dos fãs.

Ataque hacker

<em>Hackers responsáveis pelo ataque de ransomware à Capcom pedem US$ 11 milhões para liberarem servidores e não divulgarem dados obtidos; empresa não teria entrado em contato com os criminosos (Imagem: Felipe Demartini/Canaltech)</em>
Hackers responsáveis pelo ataque de ransomware à Capcom pedem US$ 11 milhões para liberarem servidores e não divulgarem dados obtidos; empresa não teria entrado em contato com os criminosos (Imagem: Felipe Demartini/Canaltech)

As informações não foram confirmadas oficialmente pela Capcom, que vem solicitando a sites e criadores de conteúdo a retirada dos documentos internos e corporativos que estão vazando desde o início da semana. O volume de dados é fruto de um ataque de ransomware sofrido pela companhia no início de novembro, que levou ao desligamento de servidores e ao furto de 1 TB de informações confidenciais.

Entre arquivos relacionados a jogos como Resident Evil Village, Shield, Phoenix Wright e Monster Hunter, além de títulos inéditos, também estão dados pessoais de clientes das lojas oficiais da empresa, funcionários, candidatos a vagas na Capcom e também acionistas. Registros de acordos entre a companhia e nomes como Sony e Google também vazaram, e mais informações desse tipo também estariam sob a posse dos criminosos.

Os hackers exigem um pagamento de US$ 11 milhões em criptomoedas para liberar os servidores da empresa e manter sigilo quanto às informações roubadas. A Capcom não teria entrado em contato com os bandidos e, enquanto a polícia investiga o caso, informações como estas vêm sendo vazadas em um ritmo lento, supostamente, como forma de levar a companhia a acertar o resgate e estancar a sangria. A recomendação de especialistas em segurança, porém, é contrária a isso, já que não existem garantias de que os criminosos cumpririam o prometido, neste caso ou em qualquer outro semelhante.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: