Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.700,48
    -1.142,25 (-3,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Novos termos do WhatsApp não podem mais ser ignorados a partir deste sábado (15)

·3 minuto de leitura
Novos termos do WhatsApp não podem mais ser ignorados a partir deste sábado (15)
Novos termos do WhatsApp não podem mais ser ignorados a partir deste sábado (15)

Depois de alguns adiamentos e muitas polêmicas envolvendo a atualização dos termos de privacidade do WhatsApp, começa neste sábado (15) a vigência da nova política da empresa. Conforme o Olhar Digital divulgou anteriormente, as contas dos usuários que não aceitarem os novos termos não serão excluídas. Entretanto, de acordo com o The Guardian, a adesão dos usuários é fundamental para o Facebook.

Por isso, a empresa anunciou que os usuários que se recusarem a aceitar os novos termos de serviço vão, gradativamente, perder totalmente o acesso ao WhatsApp.

A partir deste sábado, eles não poderão mais dispensar a tela que solicita o aceite aos novos termos, embora ainda possam receber ligações e responder às mensagens por meio de notificações.

Com o tempo, no entanto, até mesmo isso será desativado, deixando aos usuários apenas duas opções: aceitar as novas regras ou excluir totalmente suas contas.

WhatsApp
A notificação, que até esta sexta-feira (14) pode ser ignorada, a partir de sábado (15) não poderá mais ser desconsiderada pelos usuários. Imagem: Captura de Tela.

A empresa afirma que as mudanças reais são pequenas e que a onda de pânico dos usuários foi impulsionada mais pela disseminação de desinformação (ironicamente, por meio do próprio aplicativo de mensagens) do que por quaisquer preocupações razoáveis.

Mas, segundo analistas, a aceitação das regras é crucial se o Facebook quiser atingir seu objetivo: transformar o serviço em um “aplicativo para tudo”, por meio do qual os usuários podem conversar não apenas com amigos, colegas e familiares, mas também pedir comida, pagar contas de serviços públicos e entrar em contato com serviços públicos essenciais. Tal como acontece com o equivalente oriental WeChat.

Embora tenha havido uma reação imediata dos usuários, com milhões de inscrições em empresas rivais de mensagens e até mesmo solicitação de impedimento junto ao Supremo Tribunal de Delhi, na Índia, o WhatsApp avançou com os trâmites.

Leia mais:

Estatísticas apontam que usuários permanecerão no WhatsApp

Apesar de todo o “barulho”, pesquisas apontam que o aplicativo não sofrerá perdas significativas de usuários. No Reino Unido, 95% da população usa o WhatsApp, mas somente uma em cada quatro pessoas está ciente das mudanças nos termos e condições, de acordo a plataforma de pesquisa global Appinio. E mais: menos de 15% dizem que não “querem” mais usar o WhatsApp por causa das mudanças planejada.

Em outubro do ano passado, o Facebook anunciou, pela primeira vez, seus planos de atualizar o WhatsApp: um novo conjunto de recursos permitiria que as pequenas empresas carregassem seus catálogos direto para o aplicativo, fazendo com que qualquer usuário enviasse mensagens para uma empresa, navegasse em seus produtos e concluísse uma compra, tudo sem precisar sair do app.

Mas quando a mudança foi apresentada para os usuários, em janeiro deste ano, instalou-se o pânico, levando a milhões de novas inscrições para serviços concorrentes, como Signal e Telegram, o que gerou um atraso de três meses nos planos.

Apesar disso, porém, Daniel O’Connell, vice-presidente da área de pesquisas da Gartner, empresa especializada em pesquisas, consultorias, eventos e prospecções do mercado de Tecnologia da Informação, prevê sucesso.

“O triunfo do WhatsApp Business API diferencia ainda mais o WhatsApp de ofertas concorrentes, tornando-o ainda mais valioso, onipresente e difícil de ser substituído. O WeChat provou o valor do uso de aplicativos de mensagens para negócios”.

O’Connel não descarta o abuso do Facebook. “Obviamente, o uso indevido (real e percebido) de informações pela empresa mãe existe. Mas o aplicativo é onipresente, barato, prático e intuitivo. Portanto, a grande maioria dos usuários de smartphones de 5 a 95 anos – do início ao fim – usa rotineiramente o WhatsApp. ”

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!