Mercado abrirá em 16 mins
  • BOVESPA

    106.924,18
    +1.236,18 (+1,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.579,90
    +270,60 (+0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,84
    -0,65 (-0,59%)
     
  • OURO

    1.805,20
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    29.950,13
    -335,88 (-1,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    672,09
    -9,02 (-1,32%)
     
  • S&P500

    4.023,89
    +93,81 (+2,39%)
     
  • DOW JONES

    32.196,66
    +466,36 (+1,47%)
     
  • FTSE

    7.425,94
    +7,79 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.393,75
    +11,00 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2960
    +0,0369 (+0,70%)
     

Novos recursos do WhatsApp podem ser adiados para 2023

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
BRAZIL - 2022/03/16: In this photo illustration the WhatsApp logo seen in the background of a silhouette woman holding a mobile phone. (Photo Illustration by Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
O WhatsApp foi ferramenta de desinformações na eleição de 2018 (Photo Illustration by Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
  • Bolsonaro discorda de excepcionalidade no Brasil para acordo

  • Esse novo recurso do Whatsapp se chama comunidades

  • WhatsApp se comprometeu a não lançar novas ferramentas que impactam no funcionamento da plataforma

O Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo enviou um ofício ao WhatsApp pedindo informações e questionando a possibilidade de adiar para 2023 a estreia de um recurso do aplicativo chamado “comunidades”, que viabilizará a formação de grupos com milhares de integrantes - atualmente os grupos podem reunir até 256 pessoas.

O documento oficial encaminhado afirma que, caso aprovado agora, pode ser “um real retrocesso do movimento de contenção de comportamentos abusivos potencialmente ligados à desinformação”. O WhatsApp foi ferramenta de desinformações na eleição de 2018 e passou a ser largamente utilizado por bolsonaristas para espalhar falsas informações sobre vacinas e a pandemia do coronavírus a partir de 2020.

WhatsApp e TSE: entenda o acordo que Bolsonaro quer derrubar

O presidente Jair Bolsonaro (PL) criticou o acordo entre o WhatsApp e o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para que a nova ferramenta da plataforma, que permite grupos com milhares de pessoas, só comece a funcionar no Brasil depois do segundo turno das eleições de 2022.

"E já adianto que isso que o WhatsApp está fazendo no mundo todo, sem problema. Agora abrir uma excepcionalidade no Brasil isso é inadmissível e inaceitável”, disse o presidente.

Bolsonaro afirmou ainda, em vídeo gravado durante a motociata no interior de São Paulo e divulgado pela Jovem Pan, que a decisão não deve ser cumprida.

"Não vai ser cumprido esse acordo que porventura eles realmente tenham feito com o Brasil com informações que eu tenho até esse momento", declarou.

Como definir esse acordo?

Esse novo recurso do Whatsapp se chama comunidades. Ela funciona como uma espécie de guarda-chuva para abrir diversos grupos com usuários. Será, na prática, um grupo de grupos, que poderá ter milhares de participantes. Hoje, grupos de conversa na plataforma podem ter, no máximo, 256 membros.

Entre várias medidas como criação de um robô para tirar dúvidas sobre as eleições e o canal para denúncias contra disparado de mensagens em massa, o WhatsApp se comprometeu também a não lançar novas ferramentas que impactam diretamente no funcionamento da plataforma até o fim do período eleitoral deste ano.

"O acordo do WhatsApp com o TSE visa justamente proteger a democracia contra comportamentos inautênticos, mas sem restrição indevida ao debate público e à liberdade de expressão", declarou, na ocasião do acordo, o ministro Luís Roberto Barroso, então presidente do TSE.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos