Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -28,80 (-1,62%)
     
  • BTC-USD

    48.354,22
    -168,22 (-0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    965,26
    -29,41 (-2,96%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7385
    +0,1680 (+2,56%)
     

Novos pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caem a 793.000

·2 minuto de leitura
Esta foto de arquivo de 4 de setembro de 2020 mostra uma construção em Miami, Flórida.

Os novos pedidos semanais de seguro-desemprego nos Estados Unidos, um indicador das demissões, caíram ligeiramente para 793.000, um nível que permanece alto, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira (11).

Na semana encerrada em 6 de fevereiro, os pedidos caíram 19.000 em relação aos níveis da semana anterior, que foram revisados para cima pelas autoridades.

O número está acima das expectativas dos analistas, que esperavam cerca de 750 mil novos pedidos.

A crise induzida pelo novo coronavírus atingiu em cheio o mercado de trabalho nos Estados Unidos e, apesar de uma recuperação em relação às piores semanas de março e abril, esse indicador continua bem acima dos recordes de um ano atrás, quando foram registrados 204 mil pedidos.

O fraco declínio da semana passada indica que a reativação da economia não conseguiu melhorar o nível de emprego.

“De um modo geral, um número extraordinariamente elevado de pessoas continua dependente da ajuda governamental, o que é um indicador do stress que sofre o mercado de trabalho”, afirmou a economista Rubeela Farooqi, da consultoria HFE.

Este cenário impulsiona um novo plano de alívio para a economia proposto pelo governo Joe Biden, que precisa da aprovação dos republicanos no Congresso.

Na quarta-feira, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, alertou que o mercado de trabalho levará anos para se recuperar, observando que a taxa de desemprego de 6,3% esconde mais danos, já que muitas pessoas pararam de buscar atividades remuneradas.

De acordo com o último relatório mensal de emprego, a economia criou apenas 49.000 empregos em janeiro.

Por outro lado, na semana encerrada em 23 de janeiro, o número total de beneficiários do seguro-desemprego subiu para 20,4 milhões.

Nos Estados Unidos - o país mais afetado pela covid-19, com mais de 471.575 óbitos - a recuperação avança junto com o controle da pandemia.

Nas últimas semanas, alguns estados flexibilizaram suas restrições permitindo, por exemplo, jantares em restaurantes em preparação para a comemoração do dia 14 de fevereiro, prenuncio de uma possível melhora nos indicadores.

Para a Oxford Economics, "o estímulo fiscal adicional e uma taxa de vacinação mais alta irão eventualmente permitir que o mercado se recupere, mas como os dados de janeiro mostraram, as condições atuais são bastante fracas".

an/mls/mr/jc