Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.788,04
    -823,61 (-0,73%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.668,20
    +202,18 (+0,40%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,04
    +0,43 (+0,50%)
     
  • OURO

    1.789,40
    -5,60 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    37.283,77
    +1.206,59 (+3,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    847,51
    +5,06 (+0,60%)
     
  • S&P500

    4.381,91
    +55,40 (+1,28%)
     
  • DOW JONES

    34.409,53
    +248,75 (+0,73%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.274,75
    +288,00 (+2,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0036
    -0,0204 (-0,34%)
     

Novos painés de grafites contam parte da história em São Gonçalo

·2 min de leitura

NITERÓI — Mais de dez grafiteiros estão mudando a paisagem no viaduto de Alcântara, em São Gonçalo, pelo qual passam os veículos que trafegam na RJ-104. Os artistas se preparam para iniciar o terceiro painel, que vai contar parte da história da ocupação indígena no local. Dois murais já estão prontos e retratam as riquezas naturais e o desenvolvimento do bairro como ponto central da região há mais de dois séculos.

O projeto, denominado Cidade Ilustrada, é coordenado por Marcelo Eco, grafiteiro gonçalense de projeção internacional. Participam da empreitada aristas como Aila Ailita, Amanda Cabocla, Dyego Xamp, Eduardo Tex, Gustavo Gut, Italo Ogai, Marcelo Alio, Rafael Raf, Siri do Muro e Thiago Tr3p. Marcelo Eco diz que obra foi planejada para impactar quem passa pelo local.

— A nossa ideia é resgatar a história da cidade. Contar a história de São Gonçalo antes mesmo de ser São Gonçalo. Os indígenas, os animais locais e a flora que, inclusive, podem ser encontrados até hoje. Estamos retratando isso numa região bem caótica, com muito barulho e muita informação. A ideia é trazer um pouco de respiro e reflexão em meio a isso tudo — comenta Marcelo Eco.

O primeiro painel finalizado, chamado “Gênesis”, mostra imagens que remetem ao cenário da região antes mesmo da colonização, com os manguezais, rios e animais que habitavam o local. O segundo mural, ainda em fase de finalização, remonta ao desenvolvimento econômico do bairro de Alcântara, com o antigo porto, a estação de trem, as indústrias de cana de açúcar, o bonde elétrico e tudo o que fez do local uma referência para a região.

O terceiro painel já começou a ser riscado. Nele, as pinturas farão uma continuação do “Gênesis”, com um foco maior na população indígena nativa tubinambá, que se aliou aos franceses contra os portugueses durante a Guerra dos Tamoios no século XVI.

Além dos murais em Alcântara, receberão pinturas as estruturas dos viadutos do Colubandê, de Santa Luzia e de Maria Paula. Todo o projeto está sendo realizado com recursos de compensação ambiental pagos por empresas que estão licenciando empreendimentos no município.

Para o subsecretário municipal de Meio Ambiente, Gláucio Brandão, que também colaborou com o projeto, como historiador, os grafites podem contribuir para a sensação de pertencimento da população.

— É uma forma de olhar para trás e ver o processo de construção dessa cidade. Uma cidade que teve um crescimento desordenado tão fenomenal que no decorrer desse processo foram apagados muitos vestígios de sua história. O objetivo desse trabalho é resgatar essa história local, para que as pessoas que moram aqui saibam as riquezas e a importância que o lugar sempre teve e continua tendo. E reconheçam isso — diz o subsecretário.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos