Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    59.798,47
    -1.717,80 (-2,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Novos ministros tomam posse na Argentina após guinada no governo

·2 minuto de leitura
Casa Rosada, a sede da Presidência argentina, em Buenos Aires

BUENOS AIRES (Reuters) - Cinco novos ministros, incluindo o chefe de gabinete do governo da Argentina, tomaram posse nesta segunda-feira, em uma tentativa do governo peronista de superar a crise política provocada por uma derrota expressiva nas eleições primárias legislativas.

Os novos ministros são em sua maioria experientes gestores peronistas, o que indica que o governo de centro-esquerda priorizou a capacidade de gestão sobre a ideologia para superar as divisões políticas dentro da administração durante a grave crise econômica pela qual passa o país.

As mudanças foram anunciadas na sexta-feira, depois de dias de tensão por conta de uma disputa entre o presidente Alberto Fernández e sua vice, a poderosa ex-presidente Cristina Kirchner, que representa a ala mais à esquerda da coalizão Frente de Todos.

Segundo especialistas, a renovação do gabinete representa uma vitória da vice-presidente, que pressiona por investimentos públicos maiores para lidar com a pobreza, que assola 42% da população do país, contra Fernández, que tenta estabilizar a economia para reduzir a alta inflação.

O governo espera diminuir nas eleições legislativas de novembro a diferença de 9 pontos percentuais que a aliança de oposição de centro-direita Juntos pela Mudança conseguiu há oito dias nas primárias.

"O governo necessita reverter o resultado em algumas províncias que elegem senadores, para não perder o quórum. Isso requer dividir muito dinheiro. Para isso, precisa de ministros experientes... a ideologia é secundária", explicou o analista político Andrés Malamud.

O governador Juan Manzur irá assumir como chefe de gabinete, o ex-ministro Aníbal Fernández como titular da pasta de Segurança, o experiente Julián Domínguez assume a Agricultura, Jaime Perzyck, a Educação, e Daniel Filmus será o novo ministro de Ciência. Santiago Cafiero, que até hoje era chefe de gabinete, passa a ser o novo chanceler argentino.

Os mercados financeiros seguiam com atenção a crise política e na segunda-feira voltavam a cair por conta de incertezas sobre o futuro da política econômica.

Enquanto tenta sair de uma recessão que já dura três anos, o governo argentino negocia com o Fundo Monetário Internacional (FMI) o pagamento de uma dívida de 44 bilhões de dólares.

Por mais que as primárias tenham definido alguns poucos candidatos e não tenham grandes resultados institucionais, são consideradas um plebiscito sobre a gestão presidencial e uma pesquisa ampla que antecede as eleições de meio de mandato, que acontecem em novembro.

(Reportagem de Nicolás Misculin)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos