Mercado fechado

Novos focos de vírus ameaçam frágil recuperação global

Enda Curran

(Bloomberg) -- A frágil recuperação da economia global enfrenta um novo obstáculo em meio ao aumento dos casos de coronavírus, que ameaçam manter empresas fechadas e consumidores preocupados.

Os casos do vírus subiram em número recorde para um único dia em 21 de junho, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, com aumentos nos EUA e novos focos na Alemanha e na Austrália. Embora a China tenha dito que o novo surto em Pequim esteja sob controle, os casos em outras grandes economias emergentes, incluindo Brasil, Índia e Indonésia, continuam aumentando.

“A luta está longe de terminar”, disse Tuuli McCully, chefe de economia da Ásia-Pacífico no Scotiabank, com sede em Cingapura. “Uma segunda onda significativa de infecções nas economias avançadas representa um enorme risco para a economia global, que ainda está em estágios muito iniciais de recuperação.”

Dados de alta frequência rastreados pela Bloomberg Economics mostraram uma melhora de cenário para setores como transporte e alimentação fora de casa, diante da flexibilização das restrições das medidas de isolamento social. Um aumento sustentado dos casos de coronavírus ameaça minar ou até reverter essas tendências.

Recuperação em U

Nesta semana, o Fundo Monetário Internacional divulga novas previsões para a economia global, que já enfrenta a pior perspectiva desde a Grande Depressão. Embora o alívio das restrições de isolamento social em partes da Europa e dos EUA tenha levado alguns economistas a preverem uma recuperação em forma de V para a economia global, os novos focos do vírus se colocam contra qualquer recuperação rápida.

O aumento do número de casos “inclina os riscos de uma recuperação em forma de V para uma recuperação em forma de U", disse o economista-chefe do Deutsche Bank, Torsten Slok.

Ainda assim, até que haja uma vacina, não haverá uma recuperação completa.

Formuladores de políticas precisarão permanecer atentos à necessidade de mais suporte, disse Warwick McKibbin, do Instituto Brookings e da Universidade Nacional da Austrália, que modelou o impacto macroeconômico do vírus. Ele participou do Fórum de Liderança Crawford na segunda-feira.

Quase US$ 11 trilhões em recursos fiscais foram aprovados globalmente desde o início da crise, com outros US$ 5 trilhões ainda em andamento, segundo o Instituto de Finanças Internacionais.

“Não estamos nem perto do fim desta pandemia", disse McKibbin.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.