Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    55.281,82
    -5.814,02 (-9,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,61 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,67 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Novos casos de Covid aumentam no mundo pela 1ª vez em sete semanas

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após sete semanas de queda, o número de novas infecções por coronavírus aumentou globalmente na semana passada, informou a OMS (Organização Mundial da Saúde) nesta segunda-feira (1º). O diretor-geral da agência, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que o aumento nos casos foi "decepcionante, mas não surpreendente" e pediu aos países que não relaxem as medidas de combate à doença. O órgão comparou semana a semana. Segundo Ghebreyesus, ainda é muito cedo para os governos dependerem apenas dos programas de vacinação e abandonarem outras medidas para conter a disseminação do vírus. "Parte disso [do aumento] parece ser devido ao relaxamento das medidas de saúde pública, à circulação contínua de variantes e às pessoas baixando a guarda", disse. Em entrevista coletiva, o diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, afirmou que é irrealista acreditar que a pandemia vai acabar até o fim do ano. "Mas acho que o que podemos interromper, se formos inteligentes, são as hospitalizações, as mortes." A chefe técnica do órgão para a Covid-19, Maria Van Kerkhove, também alertou que o vírus vai se recuperar, "se permitirmos". Nesta segunda (1º), Gana e Costa do Marfim se tornaram os primeiros países a começar a vacinar sua população com doses fornecidas pela Covax, o programa internacional de fornecimento de vacinas para os mais pobres. Ghebreyesus celebrou a aliança global de acesso ao imunizante, mas também criticou governos por acumularem doses de vacinas. "É lamentável que alguns países continuem a priorizar a vacinação de adultos jovens saudáveis, com menor risco de doenças em suas próprias populações, à frente dos profissionais de saúde e idosos em outros lugares", disse.