Mercado abrirá em 2 h 46 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,69
    +0,64 (+0,98%)
     
  • OURO

    1.702,10
    +24,10 (+1,44%)
     
  • BTC-USD

    54.275,77
    +4.407,25 (+8,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.095,19
    +70,98 (+6,93%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.743,31
    +24,18 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.562,00
    +264,75 (+2,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Novos casos de covid-19 em queda nos últimos sete dias

·2 minuto de leitura
Equipe médica prepara vacinas Pfizer-BioNTech contra covid-19, na casa de repouso Tapparelli em Saluzzo, noroeste da Itália, em 12 de fevereiro de 2021

O número de novas infecções por covid-19 continuou a diminuir nos últimos sete dias, atingindo o nível mais baixo desde outubro, de acordo com um banco de dados preparado pela AFP a partir de fontes oficiais.

No entanto, deve-se levar em consideração que o número de casos diagnosticados reflete apenas uma parte do número real de infecções e que as comparações entre os países devem ser feitas com a máxima cautela, pois as políticas de detecção variam de acordo com o Estado.

Segundo o balanço global feito pela AFP até quinta-feira (11), com 412.700 infecções registradas diariamente nos últimos sete dias, o indicador continua em queda (tendência que começou há um mês).

Os novos casos continuam diminuindo (-16% essa semana) desde o recorde de 743.000 novas infecções por dia registradas na semana de 5 a 11 de janeiro.

Agora, atingiram seu nível mais baixo desde a semana de 17 a 23 de outubro de 2020.

Em um mês, as novas infecções em todo o mundo reduziram quase pela metade (-44,5%). Nunca, desde o início da pandemia, este indicador havia registrado uma queda tão forte e prolongada.

Observando "um relativo declínio da pandemia em todo o mundo", o epidemiologista Antoine Flahault, do Instituto de Saúde Global da Universidade de Genebra, pediu às autoridades que "antecipem os riscos de rebote, aprendendo com os erros do passado", aludindo ao levantamento precoce das restrições na Europa em 2020.

Todas as regiões do mundo registraram desaceleração nos últimos sete dias: -24% nos Estados Unidos e Canadá, -20% na África, -18% na Ásia, -15% na Europa, -10% na América Latina e Caribe e -2% no Oriente Médio.

O vírus mal circula na Oceania (12 casos diários, -14%).

Os Estados Unidos são, de longe, o país que registrou o maior número de novos casos nesse período, com 101.800 infecções diárias (-24%), à frente do Brasil (45.400, -6%), França (18.900, -8%), Espanha (18.300, -39%) e Reino Unido (15.200, -29%).

Em relação à sua população, além dos microestados, Montenegro é o país que mais notificou essa semana (606 por 100.000 habitantes), seguido pela República Tcheca (482) e Israel (356).

Os Estados Unidos foram o país que mais registrou mortes na última semana (2.784 óbitos por dia, em média), à frente do México (1.187), Brasil (1.058), Reino Unido (754) e Alemanha (555).

jah/ber/mba/jvb/tjc/mr