Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    43.799,08
    -3.274,86 (-6,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,99 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,29 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7633
    +0,0244 (+0,36%)
     

Novo vazamento expõe dados de mais de 100 milhões de contas de celular

ISABELA BOLZANI
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um novo vazamento de dados foi descoberto pela Psafe, desta vez envolvendo mais de 100 milhões de informações de contas de celulares. O anúncio acontece 20 dias depois de outro vazamento, em janeiro, que expôs dados de mais de 223 milhões de brasileiros, com nome completo, CPFs, CNPJs, data de nascimento e outras informações. Desta vez, segundo a Psafe, o caso desta vez envolve operadoras de telefonia: foram mais de 102 milhões de contas vazadas na deep web, espaço no qual o rastreamento dos computadores usados para acessar os sites é praticamente impossível. As informações, segundo a companhia, envolveriam número de celular, nome completo do assinante da linha e endereço de quase a metade da população do país. A PSafe chegou a entrar em contato com o criminoso que estaria vendendo essas informações online e solicitou uma amostra do banco de dados para verificar a veracidade das informações. O cibercriminoso teria afirmado que os dados teriam sido extraídos da base de dados da Vivo e da Claro. A origem dos dados, no entanto, não pôde ser comprovada pela companhia. As companhias telefônicas dizem que não identificaram nenhum vazamento. A Claro afirmou que, como prática de governança, irá abrir uma investigação. "A Claro investe fortemente em políticas e procedimentos de segurança e mantém monitoramento constante, adotando medidas, de acordo com melhores práticas, para identificar fraudes e proteger seus clientes", informou a companhia. A Vivo disse que mantém transparência na relação que tem com seus clientes. "A companhia destaca que possui os mais rígidos controles nos acessos aos dados dos seus consumidores e no combate a práticas que possam ameaçar a sua privacidade", afirmou. Ainda segundo a Pfase, o hacker disse que seriam cerca de 57,2 milhões de informações de contas telefônicas da Vivo. Neste caso, teriam vazado nome, número do telefone, RG, data de habilitação, endereço, maior e menor atraso no pagamento, dívidas, faturas e tipo de plano. O restante, 45,6 milhões de dados, seriam sobre contas da Claro. Neste caso, o vazamento incluiria informações sobre CPF, CNPJ, tipo de plano, endereço, email, entre outros. Segundo o presidente da Psafe, Marco DeMello, apesar da afirmativa do hacker, é preciso ter cautela para que não haja nenhuma conclusão precipitada. O executivo afirma que não está clara a maneira como os dados foram obtidos. "O que podemos afirmar é que os vazamentos de dados empresariais têm sido cada vez mais frequentes e os colaboradores em home office têm sido o principal alvo dos cibercriminosos. É uma briga injusta para as empresas, basta um dispositivo desprotegido e uma ameaça bem sucedida para que um vazamento ocorra", disse, em nota. Segundo a companhia, as bases de dados verificadas estavam sendo vendidas por 0,026 bitcoins cada, o equivalente a pouco mais de R$ 6,2 mil. "A preferência pelas transações em bitcoins está relacionada à dificuldade em se rastrear a origem das movimentações. O cibercriminoso muitas vezes nem mesmo tem o banco de dados que alega possuir e aplica golpes em interessados, que pagam o valor requerido por bancos de dados gigantescos, mas que não entregam nada do que se propõe", afirmou DeMello. A PSafe afirmou já ter informado as autoridades responsáveis sobre o caso. "Temos um relacionamento próximo com a ANPD [Autoridade Nacional de Proteção de Dados]. Estamos à disposição para colaborar nas investigações que levem à identificação dos responsáveis", disse o presidente da companhia. A ANPD não respondeu até a conclusão desta reportagem.