Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    17.836,71
    +238,45 (+1,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Novo teste de 30 segundos detecta COVID-19 pelo escarro

Nathan Vieira
·3 minuto de leitura

Frente à pandemia que se segue, inúmeros testes foram criados para identificar a COVID-19. No entanto, recentemente, pesquisadores da Universidade de Teerã desenvolveram um teste diferenciado, que pode detectar o vírus no muco nasal.

O professor de engenharia elétrica do IEEE Spectrum, Mohammad Abdolahad, liderou uma equipe de estudantes de graduação e pós-doutorandos na Universidade de Teerã que desenvolveu o sistema de diagnóstico eletroquímico não invasivo. Chamado de Detector ROS [espécies reativas de oxigênio] em amostra de escarro (RDSS), o teste rastreia inflamação respiratória em tempo real e não exige que um profissional médico faça um swab para a amostra. ROS são espécies químicas reativas que contêm oxigênio e podem danificar gravemente o DNA, o RNA e as proteínas. Esta ferramenta pode determinar a presença de ROS produzidas por inflamação respiratória.

A principal questão do projeto é resolver como o controle da disseminação do vírus em grande parte depende da triagem dos casos suspeitos, é importante ter métodos de teste amplamente disponíveis, confiáveis ​​e rápidos. Infelizmente, os métodos de triagem atuais, como a reação em cadeia da polimerase, não satisfazem esses requisitos. O professor conta que desenvolveu um método rápido para rastrear a inflamação respiratória em tempo real, e que o teste também pode ajudar a informar os médicos se o paciente tem uma chance maior de contrair COVID-19.

Na prática, esse teste ROS é feito retirando uma amostra do escarro do paciente: ele respira fundo e segura por cinco segundos, então expira lentamente e repete essas etapas até tossir, cuspindo o escarro em um tubo. Cada amostra individual é testada usando sonda, e os resultados são exibidos no monitor após 30 segundos.

Novo teste de 30 segundos para detecta COVID-19 pelo catarro (Imagem: fernando zhiminaicela/Pixabay)
Novo teste de 30 segundos para detecta COVID-19 pelo catarro (Imagem: fernando zhiminaicela/Pixabay)

O sistema consiste em um monitor integrado que se conecta a uma sonda, que possui um sensor descartável localizado em cima dela. O sensor na parte superior da sonda é fabricado com nanotubos de carbono de várias paredes, que ficam na ponta de várias agulhas de aço. As agulhas são organizadas em três eletrodos. "A ferramenta é portátil, o que permite que o dispositivo seja utilizado livremente por flebotomistas e médicos em laboratórios ou clínicas. O software programado no aparelho foi desenhado para analisar os dados e fornecer um diagnóstico em menos de 30 segundos", conta o pesquisador.

Ele disse ao IEEE que o primeiro desafio foi calibrar o sensor em correlação com a presença e gravidade do COVID-19 nos pacientes. "Conduzimos um estudo e testamos mais de 100 pessoas para entender melhor as diferenças entre COVID-19 e outros tipos de doenças respiratórias. Descobrimos que em algumas doenças respiratórias, como asma e pneumonia aguda, há um aumento de ROS. A gripe sazonal, por outro lado, induz uma redução nos níveis de ROS no sistema imunológico e suprime certa depuração bacteriana [o efeito de um medicamento nas bactérias", relata.

O outro desafio mencionado pelo professor foi o de coletar dados suficientes para calibrar o sensor. "Foi um desafio encontrar participantes para o estudo devido às restrições de quarentena e ao perigo de trabalhar com os casos infectados. No final, fomos capazes de testar o sensor em mais de 300 participantes, casos COVID-19 confirmados e casos negativos", acrescenta.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: