Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,50
    +0,60 (+0,92%)
     
  • OURO

    1.834,00
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    58.017,61
    -571,30 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,29 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,85 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,42 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.737,75
    +28,00 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3685
    +0,0034 (+0,05%)
     

Novo telescópio na América do Sul vai monitorar pequenos asteroides perigosos

Wyllian Torres
·3 minuto de leitura

O segundo Telescópio Test-Bed Telescope 2 (TBT2), da Agência Espacial Europeia (ESA), foi instalado com sucesso no Observatório La Silla, do Observatório Europeu do Sul (ESO), localizado no Chile. Este é o segundo telescópio deste tipo e faz parte do projeto Flyeye, da ESA, que pretende monitorar objetos que se aproximem da Terra e possam se tornar uma ameaça. O TBT2 já capturou suas primeiras luzes do céu noturno em primeiros testes.

O projeto colaborativo entre ESA e ESO pretende monitorar o céu em busca de pequenos objetos próximos à Terra — trabalho este que a NASA já realiza, mas quando se trata de prevenção, todo cuidado adicional é bem-vindo. Para isso, foram construídos dois telescópios com cerca de 56 cm de diâmetro. O primeiro está localizado na estação terrestre da ESA, em Cebreros, na Espanha. Por enquanto, o trabalho segue em fase de testes para avaliar os recursos necessários para uma detecção e observação de objetos próximos de maneira mais eficiente possível.

Imagem obtidade em um dos primeiros testes de luz do TBT2. As fontes de luz são estrelas ao fundo e a galáxia Centaurus A (NGC 5128) em destaque no meio (Imagem: Reprodução/ESA/ESO)
Imagem obtidade em um dos primeiros testes de luz do TBT2. As fontes de luz são estrelas ao fundo e a galáxia Centaurus A (NGC 5128) em destaque no meio (Imagem: Reprodução/ESA/ESO)

O chefe da Seção de Tecnologias Ópticas da ESA, e líder do projeto, Clemes Hesse, explica que, embora os telescópios sejam de um modelo bem padrão e comum, os testes permitem que novos algoritmos sejam desenvolvidos de maneira remota, além das operações e técnicas de processamento de dados que a futura rede de telescópios Flyeye usará para observar o céu de maneira automática. A pandemia de COVID-19 tornou o processo de instalação e primeira captura de luz do telescópio em um grande desafio, o qual foi superado pela equipe envolvida no trabalho — claro, dentro de todos os protocolos de segurança.

Estima-se que, hoje, existam cerca de 900 mil asteroides em nosso Sistema Solar e, desse total, aproximadamente 25 mil são considerados como próximos à Terra — e mil deles estão na lista de risco da ESA. Os objetos grandes são relativamente mais “fáceis” de localizar; o problema são os de médio e pequeno porte, que são os tamanhos mais comuns pela vizinha do planeta, mas nem sempre nossos aparelhos conseguem observar esses corpos com antecedência.

(Imagem: Reprodução/ESA)
(Imagem: Reprodução/ESA)

Não há como calcular o risco em potencial que algum desses objetos pode apresentar sem saber informações quanto à sua localização, por exemplo. “Para poder calcular o risco representado por objetos potencialmente perigosos no Sistema Solar, primeiro precisamos de um censo desses objetos”, explica Ivo Saviane, gerente local do Observatório La Silla, do ESO.

Atualmente, a busca por objetos no Sistema Solar é um processo lento, porque os telescópios usados são tradicionais e possuem um campo de visão bem pequeno — isso sem contar com a perturbação que a luz do espaço sofre ao penetrar a atmosfera terrestre. O projeto Flyeye é um esforço colaborativo para que esse problema seja resolvido, contando com equipamentos que possuem um campo de visão maior e cobrem uma região mais ampla do céu.

O quadrado amarelo indica a posição do TBT2 instalado no Observatório La Silla, do ESO, no Chile (Imagem: Reprodução/I. Saviane/ESO)
O quadrado amarelo indica a posição do TBT2 instalado no Observatório La Silla, do ESO, no Chile (Imagem: Reprodução/I. Saviane/ESO)

Todos os dados coletados serão enviados para o Minor Planet Center, da União Astronômica Internacional (IAU), somando mais informações para o monitoramento e compreensão da órbita desses objetos próximos. A equipe planeja ter o TBT2 funcionando até o fim deste ano.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: