Mercado fechará em 51 mins
  • BOVESPA

    123.460,80
    +1.660,01 (+1,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.988,58
    +120,26 (+0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,27
    -2,68 (-3,62%)
     
  • OURO

    1.819,80
    +2,60 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    39.784,75
    -1.238,64 (-3,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    973,22
    +12,33 (+1,28%)
     
  • S&P500

    4.397,06
    +1,80 (+0,04%)
     
  • DOW JONES

    34.912,48
    -22,99 (-0,07%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    14.991,00
    +35,25 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1172
    -0,0708 (-1,14%)
     

Novo software de código aberto ajuda a planejar cidades mais sustentáveis

·3 minuto de leitura

Pesquisadores da Universidade Stanford, nos EUA, desenvolveram um novo software que pode ser usado para projetar cidades mais sustentáveis. O programa de código aberto criado pelo Stanford Natural Capital Project produz mapas detalhados onde é possível visualizar conexões entre a natureza e o bem-estar das pessoas.

O Urban InVEST (Integrated Valuation of Ecosystem Services and Tradeoffs) é uma ferramenta que poderá ser utilizada por arquitetos, urbanistas e engenheiros para definir onde os investimentos em parques e áreas verdes trarão mais benefícios para a população sem prejudicar a dinâmica das cidades e o meio ambiente.

"Este software ajuda a projetar cidades melhores para as pessoas e para a natureza. A ecologia urbana é um benfeitor multitarefa: as árvores podem reduzir as temperaturas ao mesmo tempo em que absorvem as emissões de carbono, tornando a cidade um lugar mais agradável para se estar", diz a diretora e cientista-chefe do Natural Capital Project, Anne Guerry.

O software ajuda a planejar onde os investimentos no meio ambiente beneficiam o maior número de pessoas (Imagem: Reprodução/Stanford University)
O software ajuda a planejar onde os investimentos no meio ambiente beneficiam o maior número de pessoas (Imagem: Reprodução/Stanford University)

Urban InVEST

O programa permite a combinação de fatores ambientais, como padrões de temperatura e informações socioeconômicas relacionadas ao nível de renda da população. Também é possível inserir dados sobre as cidades e acessar fontes globais de referência, como estações meteorológicas e até satélites da NASA.

Com esse conjunto de ferramentas é possível mapear e modelar os benefícios que a natureza oferece às pessoas, fazendo com que todos possam coexistir no mesmo espaço, sem interferir no desenvolvimento de cada um. Isso ajuda no planejamento de uma infraestrutura mais verde, saudável e eficiente para todos os moradores.

"Estamos respondendo a três perguntas cruciais com este software: onde em uma cidade a natureza está fornecendo quais benefícios às pessoas, quanto de cada benefício ela está proporcionando e quem está recebendo esses benefícios”, explica a autora principal do projeto, Perrine Hamel, professora de ciências ambientais de Stanford.

Na prática

Para testar a eficácia do software longe dos laboratórios da universidade, os pesquisadores utilizaram alguns centros urbanos ao redor do mundo como Paris, na França; Lausanne, na Suíça; Shenzhen e Guangzhou, na China e várias cidades dos EUA, incluindo San Francisco e Minneapolis.

Em Paris, por exemplo, os cientistas analisaram bairros sem acesso a áreas naturais e sobrepuseram dados econômicos para entender quem recebia mais benefícios da natureza. Com isso foi possível determinar onde deveria haver mais investimentos em espaços verdes, parques e ciclovias para atender a todos de maneira igual.

Urban InVEST analisa como a natureza ameniza os impactos ambientais (Imagem: Reprodução/Stanford University)
Urban InVEST analisa como a natureza ameniza os impactos ambientais (Imagem: Reprodução/Stanford University)

Já em Shenzhen, na China, os pesquisadores usaram o programa para calcular como uma infraestrutura natural, com mais parques e florestas, reduziria os danos causados por uma tempestade mais severa. Eles descobriram que ao absorver a água da chuva e evitar a propagação da enchente, as áreas verdes ajudariam a evitar um prejuízo de aproximadamente US$ 25 bilhões (cerca de R$ 125 bilhões).

Na cidade de Minneapolis, nos EUA, o InVEST revelou que os urbanistas deveriam transformar antigos campos de golfe abandonados em parques em vez de construir um novo bairro no local. Essa atitude poderia diminuir a temperatura ambiental em até 3º C, manter os rios limpos e aumentar a biodiversidade da região.

Natureza x economia

As áreas verdes são distribuídas de forma desigual na maioria das cidades, com os mais ricos tendo acesso a locais como parques e clubes privados e os mais pobres, que vivem em regiões onde os benefícios proporcionados pela natureza não chegam com a mesma frequência.

Dados apresentados pelos pesquisadores mostram que comunidades de baixa renda são marginalizadas e, ao mesmo tempo, impedidas de colher as vantagens disponibilizadas por regiões mais arborizadas e com desenvolvimento econômico sustentável, como a melhoria da saúde física e mental.

"As cidades, mais do que qualquer outro ecossistema, são projetadas por pessoas. Por que não ser mais cuidadoso sobre como projetamos os lugares onde a maioria de nós passa a maior parte do tempo? Com esse software, os governos podem lidar com as desigualdades e construir cidades mais resilientes, com melhores resultados a longo prazo para todos”, conclui Anne Guerry.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos