Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.432,43
    +1.618,16 (+4,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Novo sensor implantado na máscara pode detectar COVID-19 pela respiração

·1 minuto de leitura

A utilização da máscara é o método mais recomendável para se proteger da COVID-19. Enquanto isso, a realização de testes em busca da detecção da doença tem sido de uma importância indescritível. Mas por que não juntar essas duas propostas? Com isso em mente, pesquisadores, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts e da Universidade de Harvard desenvolveram um biossensor que pode ser integrado a um tecido e detectar patógenos.

Esse sensor é ativado com botões e dá resultados em 90 minutos, segundo os pesquisadores. O grupo garante que a precisão está no mesmo nível que ​​os testes PCR. Para fazer o sensor, os cientistas confiaram em uma técnica que envolve extrair e liofilizar o maquinário molecular que as células usam para ler e escrever material genético. Pressionar um botão na máscara libera uma pequena quantidade de água no sensor que reativa os componentes liofilizados para que possam produzir sinais em resposta à presença de uma molécula-alvo.

(Imagem: Laura Dewilde/Unsplash)
(Imagem: Laura Dewilde/Unsplash)

Mas vale observar que os biossensores podem ser usados ​​para detectar outras bactérias, toxinas e agentes químicos. Além disso, um sinal digital pode então ser enviado a um aplicativo móvel, permitindo ao usuário rastrear a exposição a uma ampla variedade de substâncias.

A equipe diz que está procurando parceiros que possam ajudar na produção em massa. O estudo completo pode ser acessado na Nature Biotechnology.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos