Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.328,74
    -75,15 (-0,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Novo "regime" econômico desafia bancos centrais a acompanhar o ritmo

Fachada do prédio do Federal Reserve em Washington

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - Por cerca de 30 anos, as autoridades do Federal Reserve e de outros bancos centrais desfrutaram de um mundo onde as taxas de juros do mercado estavam caindo, a inflação era baixa, a globalização efetivamente expandia a oferta de mão de obra e, na margem, os mercados de bens e serviços estavam se tornando mais abertos e estáveis.

Essas tendências agora foram desafiadas, se não totalmente derrubadas, pela pandemia da Covid-19, no que corre o risco de deixar as autoridades à deriva sobre o que esperar.

O banco central norte-americano já está se ajustando a um conjunto imprevisto de mudanças -- um surto de inflação junto com a estagnação do crescimento da força de trabalho dos Estados Unidos. Mas pode ser apenas o começo de um longo cálculo sobre como a dinâmica econômica mudou, desafiando as autoridades a acompanhar o ritmo e se aprofundar em áreas que normalmente não são de sua competência, como a economia da organização industrial e o lado da oferta.

Os economistas às vezes descrevem os tipos de mudanças que podem estar em andamento em termos de um novo "regime" econômico, mas "a identificação se torna uma espécie de forma de arte", disse o presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, na última sexta-feira, em um painel na reunião anual do American Economic Association (AEA).

"Você precisa identificar a mudança de regime... E então, precisa entender a dinâmica da transição... e ter uma visão e um discernimento claros de tudo isso... Tentar desenvolver uma única visão que represente um consenso se torna um desafio muito difícil".

Bostic disse que já considera que o mercado de trabalho dos EUA deve ter mudado para sempre, deixando a economia com uma aparente escassez de trabalhadores e uma população fazendo escolhas diferentes sobre trabalho, lazer e aposentadoria do que antes.

Mas a fenda estrutural pode ser muito mais profunda.

A agenda da AEA incluiu o que pode ser a ponta do iceberg de debates sobre uma economia global não apenas se ajustando à pandemia, mas também a novos riscos geopolíticos decorrentes da invasão russa da Ucrânia e da posição incerta da China no mundo pós-pandemia.

As cadeias de suprimentos construídas em torno do comércio global relativamente sem atrito podem ser reformuladas conjuntamente a linhas mais caras por fabricantes relutantes em contar tanto com a China ou desejando mais resiliência em geral; mercados financeiros construídos em torno de taxas de juros baixas ancoradas e um excesso global de poupança podem ter que acomodar níveis de dívida e taxas de juros mais altos; a adaptação às mudanças climáticas, seja para mitigar os danos ou mudar para fontes alternativas de energia com baixo teor de carbono, pode ser outra força que alimenta os preços mais altos.

Mesmo quando fica claro que mudanças estão em andamento, pode levar tempo para instituições como o Fed se adaptarem.

Por trás de tudo: um foco emergente no lado da oferta da economia, algo que as autoridades monetárias geralmente consideram como "dado", já que sua principal ferramenta, a taxa de juros, opera para incentivar ou desencorajar a demanda agregada ou os gastos.

A capacidade da economia de fornecer bens e serviços pode estar além da influência imediata das autoridades, dependendo mais de elementos como política regulatória, imigração ou, mais fundamentalmente, da qualidade do sistema educacional do país e das habilidades das pessoas que dele emergem.

Mas a pandemia mostrou, disse Bostic, que as autoridades não podem ignorá-la.

"Aprendemos que os choques de oferta podem perdurar por um bom tempo de uma maneira que não acho que nossas estruturas conceituais realmente tenham abraçado", disse Bostic a repórteres em Atlanta na segunda-feira. No topo da lista para lidar com a economia emergente, "acho que precisamos entender como as mercadorias são feitas e como nossos sistemas tornam isso mais fácil ou mais difícil".

(Reportagem de Howard Schneider)