Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -0,07 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.775,40
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    34.623,79
    +989,68 (+2,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    837,58
    +50,96 (+6,48%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.355,00
    +0,75 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8612
    -0,0011 (-0,02%)
     

Novo recurso do Google Maps afasta os motoristas de rotas sujeitas a acidentes

·2 minuto de leitura

O Google já anunciou algumas mudanças no seu aplicativo Maps: em vez da rota mais rápida, ele passará a sugerir uma que seja mais ecológica e que gaste menos combustível. Agora, ele também terá uma opção para evitar rotas em que costumam ter elevados índices de acidentes.

O objetivo é reduzir o movimento em estradas e rodovias mais perigosas ao revelar caminhos alternativos, o que pode reduzir o número de colisões graves. De acordo com o portal Auto-Evolution, mais de 100 milhões de eventos de frenagem brusca poderiam ser eliminados por ano se o Google Maps instruísse os motoristas a tomarem rotas mais seguras.

Em vez de indicar o caminho mais curto, o Maps vai mostrar a rota mais segura (Imagem: Reprodução/Google)
Em vez de indicar o caminho mais curto, o Maps vai mostrar a rota mais segura (Imagem: Reprodução/Google)

Essa checagem de frenagens bruscas será feita em tempo real pelo aplicativo: se a IA detectar aumento delas ao longo de uma rota naquele momento, caminhos alternativos serão indicados. Segundo o Google, isso pode significar que algo ali não está correto, como um acidente na pista, ou um semáforo desligado, ou que o sol está na direção do rosto dos motoristas ou, ainda, que a visibilidade pode estar baixa por causa da neblina.

Essa novidade havia sido antecipada na conferência Google I/O, mas a empresa não havia dado mais detalhes de como isso funcionaria. Agora, ficou claro que a métrica usada para mensurar o perigo das estradas será a quantidade de freadas bruscas.

Uso dos sensores para medir

Para determinar quais estradas são perigosas,o Google Maps recorrerá a sensores que são colocados dentro dos dispositivos móveis dos motoristas. Acelerômetros e giroscópios podem detectar áreas da estrada onde há uma desaceleração repentina, o que indica uma frenagem brusca. No entanto, ainda não se sabe se o app terá a precisão necessária para identificar isso de modo real.

Para melhorar a precisão, os desenvolvedores vão cruzar os dados para ver se o motorista pisou no freio ao longo do trajeto percorrido. Devem, também, analisar as ações realizadas por outros veículos que tomam a mesma estrada ao mesmo tempo, a fim de determinar se aquele evento se repetiu com outras pessoas.

O novo recurso estará disponível na versão para Android e iOS do Google Maps, mas ainda não foi informada uma data precisa de quando deve chegar a todos. O jeito é aguardar até o anúncio oficial da companhia.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos