Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    -0,14 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    41.209,20
    -389,38 (-0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,27 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,81 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    +10,75 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1855
    +0,1450 (+2,40%)
     

Novo ministro alia área do agronegócio com questão ambiental, diz Mourão após Leite cancelar reunião

·3 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 12.11.2019 - O vice-presidente da República, Hamilton Mourão. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 12.11.2019 - O vice-presidente da República, Hamilton Mourão. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) afirmou, na manhã desta sexta-feira (25), que o novo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Pereira Leite, tem capacidade para equilibrar a pauta do agronegócio com proteção ambiental.

"Vejo a capacidade dele de saber equilibrar as coisas entre aquilo que são as necessidades do meio rural e as necessidades de proteção do meio ambiente. Acho que ele tem essa capacidade", disse Mourão, ao chegar ao gabinete da vice-presidência, em Brasília.

Antes de ingressar no governo Bolsonaro, Leite era conselheiro da SRB (Sociedade Rural Brasileira).

Mourão comanda o Conselho da Amazônia, órgão responsável por coordenar o combate a ilícitos ambientais no bioma. Ele afirmou na quinta (24) que teria uma primeira reunião com Leite nesta sexta, mas o encontro foi adiado.

"O ministro pediu mais uma semana para ele tomar pé da situação. O Joaquim é o coordenador da comissão de preservação do Conselho [da Amazônia], então ele tem trabalhado bastante com a gente. É um cara que alia o conhecimento da área do agronegócio com a questão ambiental, acho que vai fazer um excelente trabalho. Mas ele pediu mais uma semana porque eu acho que o negócio aterrissou em cima dele meio de supetão assim", afirmou Mourão.

Leite assumiu o ministério após o pedido de demissão de Ricardo Salles, um dos principais expoentes da ala ideológica do governo Jair Bolsonaro.

Leite passa a conduzir um ministério desestruturado por seu antecessor e com um corpo técnico rompido com o comando da pasta. Também chega à Esplanada sem apoio no Congresso ou na ala ideológica do governo, no momento em que Itamaraty e o Ministério da Agricultura atuavam para alijar Salles das negociações internacionais do Brasil na área ambiental.

O Brasil está sob forte pressão internacional pelo aumento do desmatamento na Amazônia e pela hostilidade de Bolsonaro aos movimentos indígena e ambientalista.

Maio foi o pior mês de avisos de desmatamento na Amazônia nos últimos anos, segundo dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). No período, foram emitidos alertas em uma área correspondente a 1.391 km².

Nesta sexta, Mourão disse avaliar que Salles pediu para deixar a Esplanada "para preservar até o próprio governo".

O ex-ministro é alvo de investigação da Polícia Federal por suspeita de ligação com um esquema de contrabando internacional de madeira.

O vice disse ainda que espera dados melhores em junho em relação à preservação.

"Acho que até nós tivemos resultados melhores agora em junho. Ontem eu recebi o relatório, tivemos redução de quase 6% no desmatamento, também das queimadas. Pessoal que está no campo está trabalhando, ainda estou com a esperança que a gente atinja até o final do mês que vem aquele objetivo dos 15% de redução [no desmatamento]".

Diante do avanço do desmatamento, Bolsonaro deu luz verde para a renovação da operação GLO (Garantia da Lei e da Ordem) em que militares fazer ações de fiscalização ambiental na Amazônia. Ele afirmou que no momento aguarda liberação dos recursos para dar início à ação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos