Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.093,54
    +247,17 (+0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Novo material permite a criação de "marfim sintético" em impressoras 3D

Gustavo Minari
·2 minuto de leitura

Os cientistas da Universidade de Tecnologia de Viena, na Áustria, criaram o Digory, um material muito parecido com o marfim e que pode ser usado em impressoras 3D para a produção de peças de restauração de objetos antigos.

Em 1989 o comércio do marfim foi proibido para proteger a população de elefantes que restava no mundo. Mesmo assim, segundo a WWF, cerca de 20 mil animais ainda são mortos anualmente por causa de suas presas.

Para desencorajar o comércio do marfim, os restauradores utilizam outros materiais, como ossos, conchas e plástico, para recuperar partes danificadas ou perdidas de artefatos históricos, originalmente criados com peças de marfim. Mas nenhum desses elementos consegue substituir as presas de elefante de maneira satisfatória.

Digory x Marfim

O Digory é produzido a partir de uma resina sintética e partículas de fosfato de cálcio. Ele é processado em altas temperaturas no estado líquido e depois endurecido em impressoras 3D que utilizam raios UV.

Como possui uma estrutura maleável, pode assumir qualquer formato desejado. Com a combinação certa de cores e após o polimento, fica difícil diferenciar uma peça com o "marfim sintético" de uma que usa o marfim de verdade.

Peão produzido com Digory (Imagem: Reprodução/Vienna University)
Peão produzido com Digory (Imagem: Reprodução/Vienna University)

Os estudos sobre o Digory começaram durante o processo de restauração das colunas do caixão do Imperador Frederico III, da Áustria. "Ele é decorado com pequenos enfeites de marfim, alguns dos quais se perderam com o tempo. A questão era se eles poderiam ser substituídos pela tecnologia de impressão 3D", disse o professor Jürgen Stampfl.

Caixão do Imperador Frederico III restaurado com peças feitas de Digory (Imagem: Reprodução/Vienna University)
Caixão do Imperador Frederico III restaurado com peças feitas de Digory (Imagem: Reprodução/Vienna University)

Impressão 3D

Depois de vários experimentos, os pesquisadores conseguiram encontrar a mistura certa para produzir o Digory. As partículas de fosfato de cálcio, que têm diâmetro médio de 7 micrômetros (0.007 milímetros), são incorporadas em uma resina especial com óxido de silício.

A mistura é processada em altas temperaturas, em um sistema conhecido com estereolitografia, e depois precisa ser curada com um raios UV emitidos por um laser. Para alcançar a cor desejada, os cientistas utilizaram várias substâncias diferentes.

Comparação Marfim x Digory (Imagem: Reprodução/Vienna University)
Comparação Marfim x Digory (Imagem: Reprodução/Vienna University)

“O marfim é translúcido. Somente se você usar a quantidade certa de fosfato de cálcio o material terá as mesmas propriedades translúcidas do marfim. Depois, pode-se retocar a cor do objeto, e a equipe conseguiu bons resultados com o chá preto”, explica o professor Thaddäa Rath.

Os pesquisadores esperam agora que o novo material seja produzido em grande escala como substituto oficial do marfim e que isso impeça que milhares de elefantes sejam mortos para fabricação de joias e objetos de arte.

O que você acha que as impressoras 3D poderão imprimir no futuro? Comente.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: