Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,88
    -0,03 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.874,40
    -5,20 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    39.008,76
    +3.473,65 (+9,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    977,67
    +35,85 (+3,81%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.077,07
    +128,34 (+0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.014,50
    +20,25 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1909
    -0,0017 (-0,03%)
     

Novo leilão da cessão onerosa será em 17 de dezembro; ANP publica pré-edital

·2 minuto de leitura
Público acompanha divulgação de resultados durante licitação de áreas para exploração de petróleo e gás realizada pela ANP no Rio de Janeiro, em 2018

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A agência reguladora ANP agendou para 17 de dezembro a Segunda Rodada de Licitações dos Volumes Excedentes da Cessão Onerosa, e colocou em consulta pública o pré-edital do certame, segundo comunicado nesta quarta-feira.

As empresas interessadas já poderão pagar a taxa de participação e se inscrever para a licitação, com prazo até 1º de novembro.

A nova rodada ofertará os campos de Atapu e Sépia, no pré-sal da Bacia de Santos, com área total de 386,07 km², sob regime de partilha de produção. A assinatura dos contratos resultantes da disputa está prevista para ocorrer em abril de 2022.

Ambas as áreas foram ofertadas em leilão anterior, em 2019, mas não receberam lances.

A área de Sépia será oferecida dessa vez por um bônus de assinatura de 7,13 bilhões de reais e alíquota de óleo-lucro de 15,02%, conforme aprovado pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Já volumes de Atapu serão ofertados por bônus de assinatura de 4 bilhões de reais e alíquota de óleo-lucro de 5,89%.

Em uma nota separada, o Ministério de Minas e Energia afirmou que, após a primeira rodada dos excedentes da cessão onerosa, o governo federal passou a atuar na identificação e eliminação de riscos associados ao leilão, "buscando maior atratividade e competitividade".

Dentre os aprimoramentos apresentados pelo governo está a definição prévia das participações da União, que serão licitadas, e da cessionária (Petrobras), em volumes recuperáveis, nas áreas de Sépia e Atapu.

Também já houve definição prévia do valor da compensação a ser paga pelos contratados à Petrobras, pelos investimentos realizados nas áreas pela estatal.

A licitação, segundo o governo, resultará em mais de 200 bilhões de reais em investimentos e liberará 12% das reservas nacionais.

(Por Marta Nogueira; Edição de Luciano Costa)